Economia

Reforma vai possibilitar ‘início de um círculo virtuoso’, diz Moreira Franco

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Wellington Moreira Franco, disse nesta segunda-feira (11) que, com a aprovação da reforma da Previdência, "poderemos ter no ano que vem o início de um um círculo virtuoso" na economia brasileira.

A afirmação foi feita durante debate promovido pelo jornal "O Estado de S. Paulo" na capital paulista.

Segundo o ministro, a prioridade do governo é solucionar o déficit fiscal e a reforma da Previdência é a principal questão dentro desse contexto.

"Estamos aí com os dados macroeconômicos dando demonstrações evidentes de que o país saiu da recessão e está se recuperando. E a robustez desse processo de recuperação está na aprovação da Previdência."

De acordo com Moreira Franco, a reforma, que começa a ser discutida nesta quinta-feira (14) e deve ir à votação na Câmara na próxima semana, vai gerar um ambiente com maior segurança jurídica e mais confiança dos agentes econômicos, viabilizando projetos de médio e longo prazo.

"As contas públicas vão melhorar. E mais do que isso, os estados terão o ambiente legal para que façam as suas reformas", disse.

Nas palavras do ministro, a reforma instituirá "o fim dos privilégios" de uma "casta" que se aproveita do estado."A Previdência brasileira tira dos pobres para dar para os ricos", afirmou.

PSDB

O ministro disse que a declaração do novo presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, de que apoia a reforma e que o partido pode fechar questão em torno do tema mostra que "o partido está se reencontrando com a sua história". O apoio do PSDB é tido como vital para que a reforma passe no Congresso."Cada voto é importante para se obter os 308 votos necessários", disse.

Questionado sobre se acredita ou não que o PSDB fechará questão sobre a reforma, em meio ao desconforto de parlamentares do partido sobre o assunto, Moreira Franco apenas disse que não é do PSDB, mas do PMDB.

Sobre a possibilidade de o governo ceder a exigências de parlamentares em troca de votos, o ministro disse: "o que for razoável, o que for justo, o governo faz. O governo acredita no diálogo, isso é fundamental".

"É natural que o parlamentar queira defender seus municípios, seus estados, e isso aí se defende melhorando a qualidade de vida da população. E a qualidade de vida da população se melhora com obras", acrescentou, emendando que "não há nenhuma imoralidade" nisso.

Já quando perguntado sobre se o texto da reforma da Previdência será aprovado ou não, o ministro disse que "não daria uma de Mãe Dináh". "Política trabalha com fatos e o fato é que na quinta-feira o debate vai ser iniciado. A expectativa é de que haja muito pouca dúvida dos dois lados", afirmou.
 

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Economia

Projeto estabelece teto para pagamento de dívida previdenciária

Em 2005, a Lei 11.196/05, que estabeleceu condições especiais (isenção de multas e redução de 50% dos juros de mora)
Economia

Representação Brasileira vota criação do Banco do Sul

Argentina, Bolívia, Equador, Paraguai, Uruguai e Venezuela, além do Brasil, assinaram o Convênio Constitutivo do Banco do Sul em 26