Nacional

Juiz condena maternidade por cobrar taxa para pai ver parto

O Tribunal de Justiça condenou uma maternidade e um plano de saúde a pagarem R$ 2 mil em danos morais a um engenheiro de Brasília que precisou pagar taxa extra de R$ 280 para acompanhar o parto do filho. O caso aconteceu na Maternidade Ela, em Goiânia (GO). A defesa da instituição diz que a cobrança não é irregular. Cabe recurso à decisão.

O incidente aconteceu em maio deste ano. O engenheiro civil Edson Rocha conta que só foi avisado de que não poderia ver o filho nascer depois que a mulher já estava em trabalho de parto. Ele classificou a situação como “transtorno inimaginável”.

“Ficamos mais de uma hora aguardando o quarto [de operação] ser liberado. Chegando na porta, me perguntam se eu tenho a liberação para entrar. Quando fui atrás, me avisaram que o plano não cobria a despesa. Tinha que pagar para assistir ao parto do meu segundo filho”, disse.

Sem a carteira na hora, Rocha teve de chamar a mãe para fazer o pagamento. O engenheiro tinha pressa, porque os médicos estavam só esperando a chegada dele para começar o procedimento. “Eu falei para a atendente: ‘o quanto você vai me cobrar não me interessa, diz quanto é que eu vou’.”

Após o parto, ele afirmou ter conversado com a gerência da maternidade, que, segundo ele, confirmou ter de cobrar a taxa. “É um local sem protocolo nenhum. Eu imagino se um pai um dia chegar lá e perder o parto. Como você volta no tempo? Com que valor financeiro você pode abonar essa situação para um pai?”, questionou o engenheiro.

Por meio do advogado, a maternidade disse que a cobrança para acompanhar o parto não é indevida e que o homem não foi impedido de assistir ao parto do filho. Também afirmou que o plano de saúde “negou indevidamente autorizar a cobertura”.

Já a Amil informou em nota que a despesa por acompanhamento está incluída na cobertura de planos com obstetrícia. “Qualquer cobrança nesse sentido, por parte de prestadores de serviço, não está amparada legalmente”, disse a empresa, que informou ter autorizado previamente o acompanhamento e ter feito acordo posterior para reembolsar o cliente.

Além do valor da indenização, o Tribunal de Justiça também decidiu que as empresas devem pagar ao engenheiro R$ 560 – o dobro da taxa que ele desembolsou para acompanhar a mulher durante o parto.

Fonte: G1

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Nacional

Comissão indeniza sete mulheres perseguidas pela ditadura

“As mulheres tiveram papel relevante na conquista democrática do país. Foram elas que constituíram os comitês femininos pela anistia, que
Nacional

Jovem do Distrito Federal representa o Brasil em reunião da ONU

Durante o encontro, os embaixadores vão trocar informações, experiências e visões sobre a situação do uso de drogas em seus