Política

Taques repete Dante ao deixar PDT enquanto governador de MT

Na política são comuns histórias parecidas se repetirem. Em 1997, o então governador Dante de Oliveira – falecido em 2006 – se desfiliou do PDT, por não seguir as diretrizes do partido e ter apoiado a reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Na época, o “Homem das Diretas” foi chamado de traidor pelo fundador do partido, ex-governador do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul Leonel Brizola – falecido em 2004.

Agora, dezoito anos depois, o PDT volta a ficar em segundo plano no cenário político do estado, com a saída de do governador Pedro Taques, que entregou sua carta de desfiliação no sábado (08). Assim como Dante, a discordância quanto à atuação nacional foi um peso que motivou o rompimento.

Taques sempre criticou o apoio ao governo de Dilma e neste ano enfrentou grandes desavenças com o diretório estadual da legenda, presidido pelo deputado estadual Zeca Viana.

Na Assembleia Legislativa, Viana adotou o posto de principal opositor ao Governo do Estado. Implacável, dificultou a articulação da base governista no parlamento e nunca poupou críticas à postura de Taques como chefe do Executivo.

A relação extremamente conturbada entre os dois teve início nas articulações para eleição da Mesa Diretora da AL, em janeiro deste ano. Zeca Viana se sentiu preterido e não concordou com o apoio incondicional do governador à candidatura de Guilherme Maluf (PSDB), que acabou sendo eleito.

O cientista político João Edisom de Souza avalia que o PDT perde força com a saída de Taques e aponta a necessidade de uma avaliação autocrítica, por parte do diretório.

“O PDT mato-grossense é muito conflituoso. É um conjunto de pessoas que brigam demais entre si. Normalmente é um partido que quando chega ao poder não consegue conviver com ninguém. Eles precisam redimensionar o posicionamento interno. Vai enfraquecer sim, pois tem gente lá que vai sair cantando: ‘Pedro, pra onde você vai eu também vou’”, afirmou o especialista.

Por fim, nos resta saber se assim como Dante, que se filiou ao PSDB após sair do PDT, Taques seguirá o mesmo caminho ou seguirá outros rumos.

Após sair do PDT, para onde vai Pedro Taques?

Taques teria se decidido pelo PSDB em troca de vice-presidência do partido

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Política

Lista de 164 entidades impedidas de assinar convênios com o governo

Incluídas no Cadastro de Entidades Privadas sem Fins Lucrativos Impedidas (Cepim), elas estão proibidas de assinar novos convênios ou termos
Política

PSDB gasta R$ 250 mil em sistema para votação

O esquema –com dados criptografados, senhas de segurança e núcleos de apoio técnico com 12 agentes espalhados pelas quatro regiões