Economia

Dólar mais caro pressiona custos, mas empresas não conseguem repassar alta

Com valorização de mais de 7% no ano e sem deixar o patamar dos R$ 4, fora da expectativa de boa parte dos economistas e dos empresários, o dólar está pressionando o custo e o lucro das empresas, mas alta deve ter poucos reflexos para o consumidor final.

Com a demanda fraca, a possibilidade de repassar esse aumento de custos para os preços de produtos e serviços é pequena, reconhecem empresários e economistas ouvidos pelo ‘Estado’.

Sócio da Ecosan, fabricante nacional de médio porte de equipamentos de tratamento de água para a indústria, o empresário André Telles diz que está trabalhando com prejuízo em função da alta da moeda americana. Os componentes importados representam até 30% do custo dos equipamentos que ele fabrica.

Seis meses atrás, Telles fechou contratos de fornecimento de equipamentos sob encomenda com o câmbio a R$ 3,70. E, na hora de entregar os produtos, o dólar passava de R$ 4. “Não dá para repassar a alta.” 

Custo Alto

De acordo com José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil, o principal impacto do aumento do câmbio é justamente a elevação de custos de importação e o achatamento das margens de lucro das empresas. “Para o importador, a alta do dólar é aumento de custo efetivo: ele tem de pagar o produto e os tributos pela taxa do dia do desembaraço da mercadoria”, explica. Ao mesmo tempo, explica, o comportamento atual da moeda americana também não aumenta a competitividade das exportações. “O movimento do câmbio hoje é mais especulativo e não pode ser considerado na hora de fechar as exportações.”

De acordo com economistas, o patamar ideal para o dólar no Brasil oscila entre R$ 3,60 e R$ 3,80. Mas, segundo eles, a moeda só vai voltar para essa faixa quando as reformas forem aprovadas e houver redução do déficit fiscal. Pressões do mercado internacional também têm afetado a cotação. A principal é o risco de recrudescimento da guerra comercial entre EUA e China. Junta-se a isso a redução dos juros no País, que diminui a rentabilidade dos investidor estrangeiro. Com isso, eles preferem aplicar o dinheiro em outros mercados, com taxas maiores de retorno, como México. 

Diante desse cenário, indústria, comércio e prestadores de serviços têm de enfrentar as oscilações da moeda americana. A CVC, uma das gigantes do setor de turismo, reativou neste mês a venda de pacotes turísticos com o câmbio reduzido em destinos específicos para atenuar os impactos negativos do sobe e desce da moeda estrangeira nas suas vendas. “O problema para nós não é o valor da moeda estrangeira, mas a volatilidade que gera insegurança no consumidor”, afirma Sylvio Ferraz, diretor da operadora. 

A oscilação do dólar já mudou a percepção dos empresários da indústria eletrônica, cujos componentes importados respondem por 60% dos custos. Humberto Barbato, presidente da Abinee, conta que de julho para agosto aumentou em 50% o número de indústrias que se declararam pressionadas por aumentos de custos. Segundo ele, essa alta não deve ser repassada aos preços porque, além de o consumo estar fraco, as companhias têm estoques de componentes para bancar a produção de 3 a 4 meses.

Oportunidade

Enquanto a alta do câmbio também é sinônimo de elevação de custos para os derivados de petróleo, como nafta e gás natural, a indústria química vê nessa pressão uma oportunidade para aumentar a fabricação local de produtos intermediários, como resinas e fibras. “O dólar tem impacto tanto para o bem como para mal”, diz Fátima Ferreira, diretora da Abiquim.

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Economia

Projeto estabelece teto para pagamento de dívida previdenciária

Em 2005, a Lei 11.196/05, que estabeleceu condições especiais (isenção de multas e redução de 50% dos juros de mora)
Economia

Representação Brasileira vota criação do Banco do Sul

Argentina, Bolívia, Equador, Paraguai, Uruguai e Venezuela, além do Brasil, assinaram o Convênio Constitutivo do Banco do Sul em 26