Cidades

Bosque: Horta na escola promove a saúde dos alunos e a consciência ambiental

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a escola como um dos principais canais de promoção da saúde. Partindo deste princípio é que o Colégio Isaac Newton criou um espaço exclusivo para que os alunos, já nos primeiros anos de vida, tenham contato com a natureza ao mesmo tempo em que aprendam a cultivar e praticar a alimentação saudável.

Diariamente dezenas de crianças são levadas para o bosque, no bairro Lixeira, praticamente no centro de Cuiabá, onde fazem exercícios físicos, brincam descalças na areia, plantam, cultivam e inclusive levam para casa hortaliças e outros alimentos que, em pouco mais de seis meses de início das atividades, já são produzidos no espaço como abóbora e quiabo.

O diretor do bosque, Douglas Samaniego, que é engenheiro florestal, técnico agrícola e professor, fala da importância do projeto em três vertentes. “A ambiental e ecológica, que oportuniza o convívio dos alunos com as plantas, interação do ser humano com o meio ambiente e a consciência da preservação, a segunda que é o contato com os alimentos orgânicos levando-as a conhecê-los e a passar a gostar de comer, e também a atividade física com o contato direto com a natureza”.

Esses três fatores formam o objetivo do projeto que é a introdução da educação ambiental e alimentar na vida do aluno. “É uma atividade que constrói na criança a noção de que o equilíbrio do meio ambiente é fundamental para a sustentabilidade de nosso planeta e que devemos praticar uma alimentação saudável em busca de uma melhor qualidade de vida”.

 

O CIN criou um espaço exclusivo para que os alunos, já nos primeiros anos de vida, tenham contato com a natureza — Foto: Divulgação/CIN
O CIN criou um espaço exclusivo para que os alunos, já nos primeiros anos de vida, tenham contato com a natureza — Foto: Divulgação/CIN

A horta, neste sentido, explica o professor, passa a ser um espaço alternativo para aquisição de aprendizado sobre alimentação e nutrição, podendo ser um laboratório vivo onde as crianças experimentam diversas experiências, como participação nos processos de produção, colheita, tornando o contato com os alimentos mais atraente e prazeroso, motivando assim o uso de uma alimentação mais nutritiva e saudável.

A horta já conta com mais de 70 espécies entre mudas e já produz diversos alimentos que se misturam a plantas ornamentais, todos cultivados sem a utilização de insumos. Samaniego cultiva minhocas com adubo orgânico.

A nutricionista da escola, Ainás Freitas, que é ex-aluna do CIN, beneficia não só os alunos, mas também suas famílias e a comunidade na qual estão inseridos. “A horta na escola ajuda a difundir a prática do cultivo de hortaliças e contribuem para a reeducação alimentar, ensinando o valor nutricional dos vegetais e podem se tornar um fator de conscientização e motivação dos alunos e da comunidade para a realização de refeições mais saudáveis”.

Segundo Ainás Freitas, produtos da horta do bosque já estão sendo inseridos na alimentação dos alunos do período integral e com grande aceitação.

Willian Matos, pai do aluno Rafael Matos, de apenas dois anos, que frequenta o Maternal I, está animado com a oportunidade que o filho está tendo ao frequentar o projeto. “Nós, pais, temos uma vida dinâmica, almoçamos fora de casa todos os dias, e acabamos tendo pouco tempo para acompanhar a alimentação do Rafael. Então, o contato com a horta sem dúvida vai ajudá-lo a gostar mais de verduras e frutas”, observa o pai.

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Cidades

Fifa confirma e Valcke não vem ao Brasil no dia 12

 Na visita, Valcke iria a três estádios da Copa: Arena Pernambuco, na segunda-feira, Estádio Nacional Mané Garrincha, na terça, e
Cidades

Brasileiros usam 15 bi de sacolas plásticas por ano

Dar uma destinação adequada a essas sacolas e incentivar o uso das chamadas ecobags tem sido prioridade em muitos países.