Nacional

Atraso deixa 31 trens novos do Metrô de São Paulo parados

O atraso do governo do Estado de São Paulo para concluir obras de duas linhas de metrô e para instalar o novo sistema de controle de trens que reduziria o intervalo entre eles tem mantido parados 31 novas composições da empresa. Na linha 5-lilás, quinze estão no pátio Capão Redondo, na zona sul de São Paulo – uma já foi pichada.

Todos os 31 trens paralisados têm a tecnologia CBTC (sigla em inglês para Controle de Trens Baseado em Comunicação). O sistema é importante para reduzir o intervalo entre as composições e, assim, diminuir a superlotação.

Na linha 5-lilás, o primeiro trem está pronto para ser usado desde outubro de 2013. Mas ele só deve entrar em operação em dezembro, com a garantia de fábrica de dois anos vencida.

Outras quatro composições circularão com tempo menor de garantia. O problema é que os trens adquiridos são mais modernos do que os trilhos, que não estão preparados para operar com o sistema CTBC.

A incompatibilidade impede, por exemplo, o uso imediato das composições no trecho entre Capão Redondo e Adolfo Pinheiro, da linha 5-lilás, o que traria mais conforto aos usuários.

O CBTC é um sistema em que os trens são comandados por computador. Os sistemas sabem onde estão cada um dos trens da linha e qual a velocidade que eles estão desenvolvendo. Assim, é possível reduzir a distância entre cada composição – e aumentar a quantidade de trens na linha.

O sistema atual, analógico, chamado ATO, controla a distância entre os trens dividindo a linha em vários setores. Quando um trem está em um setor, não é possível que outro trem entre, garantindo a distância segura entre eles, mas reduzindo a quantidade de composições que podem rodar simultaneamente em uma linha.

Ao todo, o Metrô comprou para a linha 5-lilás 26 composições modernas – com o CTBC – por R$ 615 milhões.

Já no monotrilho da linha 15-prata são mais 16 trens sem uso no pátio da estação Oratório. Ali, o problema principal é o atraso das obras de engenharia.

Prevista para ser entregue em 2014, a linhas começou a operar na semana passada, interligando a Vila Prudente ao Oratório, na zona leste. Ainda não há data para a conclusão da linha.

Na linha 5-lilás, a entrega das obras de extensão foi adiada quatro vezes – ela estava prevista para este ano. Em março, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu a conclusão dela em 2017.

Segundo o Metrô, atrasos da Bombardier, empresa responsável pela modernização da via, barram o uso dos novos trens. O prazo para conclusão era novembro de 2014. A Bombardier informou, por nota, que negocia dezembro deste ano como nova data de entrega.

Para especialistas, os vagões parados têm "custo social", já que o governo pagou para que eles fossem usados na operação comercial. Os engenheiros afirmam que, sem o sistema CBTC, os vagões não podem ser testados na integralidade. O Metrô nega e diz que os equipamentos passam por todos os testes.

Social
"O prejuízo maior é o social, de investir e não ter o retorno da funcionalidade. Se vai colocar um dinheiro desse montante, é esperado um retorno. Esse valor poderia estar rendendo em outra coisa e agora está deteriorando", disse o mestre em Transportes pela Universidade de São Paulo (USP), Sérgio Ejzenberg. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Fonte: UOL

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Nacional

Comissão indeniza sete mulheres perseguidas pela ditadura

“As mulheres tiveram papel relevante na conquista democrática do país. Foram elas que constituíram os comitês femininos pela anistia, que
Nacional

Jovem do Distrito Federal representa o Brasil em reunião da ONU

Durante o encontro, os embaixadores vão trocar informações, experiências e visões sobre a situação do uso de drogas em seus