Cidades

Após aluno baleado, policiamento na USP muda na próxima segunda

Um dia depois de um estudante ter sido baleado na Cidade Universitária, na Zona Oeste de São Paulo, a Secretaria da Segurança Pública anunciou que o novo modelo de policiamento no campus começa na próxima segunda-feira (7), segundo o SPTV.

O novo projeto de segurança para a Universidade de São Paulo (USP) será executado por policiais que tem a mesma faixa etária e formação semelhante à dos estudantes.

Nesta terça-feira, Alexandre Simão de Oliveira Cardoso, de 28 anos, foi abordado em frente ao prédio da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), por volta das 21h, quando foi abordado por assaltantes e acabou levando um tiro nas costas. Alexandre é estudante do quarto ano do curso de Letras.

Na ocasião do lançamento do modelo de policiamento comunitário, Moraes afirmou que os policiais deverão ser voluntários, com formação universitária, e ficarão trabalhando apenas no campus. A faixa etária preferencial será até os 26 anos.

Na reunião, estava presente José Gregori, da Comissão de Direitos Humanos da universidade. "O projeto não foi rechaçado. Fizemos algumas sugestões e achamos que o modelo americano, por exemplo, é mais próximo da realidade que o japonês".

O secretário Alexandre de Moraes disse que o modelo americano treina os próprios guardas e que, para que isso seja feito, uma nova lei precisaria ser aprovada. "Os guardas da USP não teriam poder de polícia para fazer a segurança. Aliás, nem a nossa Guarda Municipal tem poder de polícia".

O patrulhamento deverá ser feito por entre 80 a 120 policiais militares. Segundo Moraes, os policiais estão sendo treinados para o método e terão um colete com identificação diferente, como policiamento comunitário da USP.

Um Conselho Comunitário de Segurança vai atuar dentro do campus e será formado por representantes das polícias Civil e Militar, professores, funcionários e alunos.

Nos últimos anos, uma série de casos de violência e abuso sexual foram registrados dentro da Cidade Universitária e em outros campi da USP e de outras universidades públicas e particulares paulistas. A Assembleia Legislativa chegou a criar uma CPI para investigar os casos.

Baleado 
O barulho do tiro disparado por criminosos nesta terça contra o estudante foi ouvido por alunos que estavam dentro da sala de aula. Foi ouvido por alunos que estavam dentro da sala de aula.

“A gente ouviu um barulho de tiro assim muito forte e, quando o pessoal olhou na janela, tinha umas pessoas correndo e um cara de moto que saiu correndo também na moto”, conta Verônica Tozarini, estudante de Letras.

A mãe de outro aluno estava estacionando o carro na hora do crime e viu o estudante sendo baleado. “A gente tava conversando e, de repente, começou a escutar um barulho, um som, parecia tiro. Quando a gente olhou, viu o rapaz correndo na frente dizendo ‘não, não tenho’, falando algo, e dois caras atirando atrás”, conta.

Três adolescentes suspeitos foram apreendidos e encaminhados para a Fundação Casa.

Segundo testemunhas, após ser baleado, Alexandre saiu correndo pedindo socorro e caiu na escada em frente ao prédio da faculdade. Ainda de acordo com testemunhas, a vítima teria reagido ao assalto.

O pai do estudante, o aposentado Alberto de Oliveira Cardoso, estava em uma festa de família quando recebeu a notícia que o filho havia sido baleado.
“Tava comemorando o aniversário do meu filho mais velho e quando, na verdade o sogro dele falou, me ligou, aí deu aquele baque. Aí nós viemos pra cá”, disse. Segundo o aposentado, o filho está fora de perigo após passar por uma cirurgia.

Em nota, a reitoria da USP lamenta profundamente a ocorrência de mais um caso de violência. Garantir a segurança dos usuários do campus tem sido uma das principais metas da administração da universidade.

Fonte: G1

Redação

About Author

Reportagens realizada pelos colaboradores, em conjunto, ou com assessorias de imprensa.

Você também pode se interessar

Cidades

Fifa confirma e Valcke não vem ao Brasil no dia 12

 Na visita, Valcke iria a três estádios da Copa: Arena Pernambuco, na segunda-feira, Estádio Nacional Mané Garrincha, na terça, e
Cidades

Brasileiros usam 15 bi de sacolas plásticas por ano

Dar uma destinação adequada a essas sacolas e incentivar o uso das chamadas ecobags tem sido prioridade em muitos países.