PUBLICIDADE
EM LIVRO

“As medidas não definem quem sou”, diz top plus size Fluvia Lacerda

23/11/2017 15h03 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

“As medidas não definem quem sou”, diz top plus size Fluvia Lacerda

Divulgação

A top plus size Fluvia Lacerda segue o que chama de “luta contra padrões estéticos impostos” e lançou recentemente sua biografia, Gorda não é palavrão (Editora Paralela). “Após receber um relato, nas redes sociais, de uma menina de 16 anos que chegou a pensar em se matar por ser gorda, senti que precisava fazer algo mais”, diz ela que, apesar de ser uma das modelos cheias de curvas mais importantes da indústria fashion, não sabe suas medidas.

“Não me peso nunca. É uma forma de ir contra essa ditadura. Minhas medidas não definem quem sou, não determinam nada na minha vida”, decreta. Morando em Nova York – ela foi descoberta dentro de um ônibus, quando trabalhava lá como babá –, aos 37 anos e mãe de dois filhos, Fluvia garante que nunca fez dieta.

“Não levanto bandeira para nós, gordos. Apenas insisto para que as pessoas respeitem nossas características, nosso DNA. Com essa escravidão, muitos perdem seu valor como ser humano. Mas a situação está mudando, as redes sociais abriram as portas para a interação”, afirma ela, com cerca de 260 mil seguidores no Instagram. Fluvia bateu um papo com a coluna:

Como surgiu a ideia do livro?

Nunca achei minha história digna de ser contada, achava pretensioso. Mas recebo muitos depoimentos de mulheres que são vítimas desse verdadeiro massacre, dessa ditadura da beleza e da magreza. O livro é uma minibiografia e quero, pelas minhas experiências, inspirar outras mulheres.

O que a motivou a escrever?

As histórias que recebo nas redes sociais. Em especial, a história de uma menina de 16 anos que pensou em se suicidar, por pressão da família, por incrível que pareça, para emagrecer. Aquilo mexeu comigo, foi um momento crucial e que me levou a escrever o livro.

Você continua sem se pesar, sem saber suas medidas?

Exatamente, eu nunca me peso: é uma forma de ir contra essa ditadura, não quero que esse número ou qualquer outro me determine em nada.

O que ensina em termos de autoaceitação?

A grande bandeira é respeitar quem você é, nos libertar de aprisionamentos que a gente vive. Não dá para ir contra o seu DNA. Insisto muito que não é levantar bandeira para nós, gordos, mas quebrar a barreira das pessoas de querer se comparar. A situação está mudando, sim. As redes sociais abriram as portas para as pessoas interagirem, inclusive na moda.

Nunca fez dieta?

Nunca fiz dita na vida, sempre fui muito bem resolvida em relação a meu corpo, isso tem a ver com minha natureza, com a forma como fui criada.

 

FONTE: Epoca Globo

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE