PUBLICIDADE
CUIABÁ/VÁRZEA GRANDE

Parada há mais de cinco anos, obra do rodoanel deve ser retomada em 2020

Dnit afirma que processo para reinício dos serviços está em fase de licitação, que deverá ser concluída neste ano, em parceria com a Sinfra

Reinaldo Fernandes

Repórter

09/09/2019 14h24 | Atualizada em 09/09/2019 16h27

Parada há mais de cinco anos, obra do rodoanel deve ser retomada em 2020

Reprodução/Internet

As obras do rodoanel em Cuiabá devem se retomadas em 2020. Com R$ 130 milhões assegurados pelo governo federal, a execução poderá ter contrapartida do Estado para somar aos R$ 500 milhões previsão orçamentária. Uma audiência pública para discutir a retomada dos serviços foi realizada nesta segunda-feira (9) na Assembleia Legislativa.



“Essa obra já tem recurso assegurado parcialmente no Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Trânsito), já tem uma parte em conta e já tem outra assegurada no orçamento. Agora, vai sair do papel e vai andar”, disse o presidente da Casa, Eduardo Botelho (DEM).

Apenas nove quilômetros de asfalto, ligando o distrito Sucuri à rodovia Emanuel Pinheiro (estrada para Chapa dos Guimarães), foram executados do projeto em convênio do Dnit com a Prefeitura de Cuiabá, na gestão do prefeito Wilson Santos. Mas, o convênio foi extinto e os serviços estão parados há quase dez anos. A estimativa é que a licitação seja concluída até dezembro.

“[Agora], nós temos um convênio com a Sinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura), o anteprojeto já foi aprovado, e estamos exatamente na tratativa da licitação. Cerca de R$ 130 milhões, alocados desde 2014, estão liberados para o governo estadual”, disse o superintendente do Dnit, Orlando Fanaia.



A proposta atual é que o rodoanel seja executado em etapas, a começar pela BR-163, na altura do rio Pari. “A ideia é que se faça serviço gradativo, usando o dinheiro conforme for disponibilizado”, complementou.

O contorno do rodoanel vai ligar Cuiabá a Várzea Grande. Ele deverá se estender por 52 quilômetros, com pista dupla, sendo 41 quilômetros em Cuiabá. As regiões passaram a ser ligadas são do Trevo do Lagarto, em Várzea Grande, ao distrito Industrial de Cuiabá, passando pela Estrada da Guia (MT-010), rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), até à BR-364.

.


Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE