PUBLICIDADE
CRISE DO FILANTRÓPICO

Prefeitura fica com encargo de apresentar 'plano de recuperação' da Santa Casa

Recurso para ajudar ao hospital será estipulado após a apresentação da situação do hospital que tem somente de dívida interna uma conta de R$ 39 milhões

Reinaldo Fernandes

Repórter

21/03/2019 15h26 | Atualizada em 21/03/2019 17h09

Prefeitura fica com encargo de apresentar 'plano de recuperação' da Santa Casa

Reprodução/Internet

A Prefeitura de Cuiabá ficou com a tarefa de elaborar um plano de ajuda emergencial à Santa de Cuiabá para apresentar ao Ministério da Saúde. A partir do que for enquadrado, o ministro Luiz Henrique Mandetta deverá estipular o recurso que será enviado pela União para reequilibrar o caixa financeiro do hospital.

A medida foi definida em reunião realizada nesta quinta-feira (21) entre com membros da bancada federal, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), o assessor da Casa Civil, Victório Galli, e o deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC) e os vereadores Wilson Kero Kero (PSL) Renivaldo Nascimento (PSDB), em Brasília.

Conforme Galli, nenhum valor foi definido pelo ministro, neste momento, para ajudar a Santa Casa. As informações sobre R$ 50 milhões são de estimativa da direção da Santa Casa de quanto seria necessário para alivio das dívidas.

“Mas, o ministério não sabe ainda qual é a situação em números da Santa Casa, não tem como liberar dinheiro, e ele também não vai liberar recurso num estalar de dedos. Só de dívida interna, a Santa Casa tem R$ 39 milhões, que inclui cinco meses de salários e 13º; falta ainda a dívida com os fornecedores”.

A quantia de R$ 50 milhões chegou a ser divulgada pelo site da Câmara de Cuiabá como já definida pelo Ministério da Saúde, levando à reação do deputado federal Nelson Barbudo (PSL) desmentindo a informação.  O que também foi feito pelo secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Pôssas, o assessor Victório Galli e o deputado Xuxu Dal Molin.

No início desta semana, Galli disse ao Circuito Mato Grosso que o ministro defendia a instalação de um gabinete de crise para avaliar a situação da Santa Casa. O grupo seria composto por representantes do Ministério Público do Estado, das secretarias estadual e municipal de Saúde, e dois profissionais escolhidos pelos médicos e demais funcionários do hospital.

Leia mais

.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE