PUBLICIDADE
ELEIÇÕES 2018

Emanuel evita "julgar" gestão e viabilidade de reeleição de Taques

O governador Pedro Taques vem passando por vários desgastes políticos nesses dois anos e meio de gestão

Cintia Borges

Repórter

18/06/2017 14h00 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Foto Ahmad Jarrah/ Circuito Mato Grosso


O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), se negou a avaliar a viabilidade política do governador Pedro Taques (PSDB) em buscar sua reeleição em 2018. “Acho que todos que são gestores podem ser candidatos. Eu não quero ser julgado por cinco ou seis meses de governo, como não quero julga-lo por dois anos e meio”, ponderou Emanuel ao Circuito Mato Grosso nesta segunda-feira (13).

O governador Pedro Taques vem passando por vários desgastes políticos nesses dois anos e meio de gestão e recebeu até críticas referentes a viabilidade de sua eventual candidatura recentemente do senador José Medeiros (PSD), que substituiu o gestor no Senado.

Para Medeiros, Taques teria até setembro para reverter o desgaste político. “E se começar enfraquecido em 2018, não vejo viabilidade”, disse o senador em entrevista recente.

Taques ainda tenta reverter o desgaste gerado no ano passado pelo não pagamento unificado da Revisão Geral Anual (RGA). Neste ano, mesmo com a continuídade da crise financeira, o tucano demonstrou maior habilidade para contornar a situação, atendendo parcialmente a proposta do Fórum Sindical e evitando uma nova greve geral dos servidores.

O Governo do Estado se divide para buscar soluções para a área da Saúde, que sofre com a falta de verba. Atualmente, o Governo admitiu um atraso de repasses de R$ 162 milhões na Saúde, e vem tentando quitá-lo nos últimos dias. 

E ainda, escândalos referentes a possível realização de interceptações telefônicas ilegais veiculados na imprensa nacional, fraudes em licitações que culminaram na  Operação Rêmora e até a delação do empresário Alan Maluf afirmando que Taques tinha conhecimento de um Caixa 2 em sua campanha de 2014. 

O chefe do Alencastro segue dedicado a gestão a Capital, esquecendo até dos manejos políticos. “Eu só tenho olhos para Cuiabá. 1000% Cuiabá. Os meus companheiros estão pedindo para que eu pense mais politicamente, que eu articule, mas meu foco é totalmente Cuiabá”, revela Pinheiro.

Leia mais:

Taques precisa sanar crise para viabilizar reeleição, avalia Medeiros

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE