PUBLICIDADE
INFORMAÇÕES DA SEFAZ

Conselheiro nega pressão política para conseguir dados sigilosos

Presidente do TCE diz que polêmica com governador Pedro Taques está resolvida, mas que respondeu à situação

Reinaldo Fernandes

Repórter

15/05/2017 12h40 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Com Airton Marques

O presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), Antônio Joaquim, negou que tenha feito pressão política sobre o governador Pedro Taques (PSDB) no caso sobre o pedido de liberação de dados sigilosos da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), para a realização de auditoria no controle de exportação.

Com a recusa do fornecimento de tais dados, o TCE-MT acionou o secretário da Sefaz, Gustavo de Oliveira. A atitude gerou atrito entre Taques e Antônio Joaquim, que no final do mês de abril utilizaram as redes sociais e a mídia para trocarem "farpas" - o pedido para que o secretário fosse obrigado a fornecer tais dados foi negado pelo desembargado José Zuquim.

De acordo com o conselheiro, ele apenas tomou a atitude que o cargo lhe determina.

“Eu sou um homem público e tenho o dever de viver pacificamente com outros Poderes, inclusive o Executivo, do governador. Para mim, a questão está resolvida, não tenho nada contra ele. Mas, eu respondi uma situação”, disse ao Circuito Mato Grosso.

Troca de farpas

Taques tomou a ação do conselheiro Antônio Joaquim como um ataque político, visando as eleições de 2018. Em mensagens publicadas em rede social, o governador afirmou que o órgão de contas se permitia servir de “poleiro eleitoral” para o presidente. Em discurso no Palácio Paiaguás, o tucano disse ainda que não aceitaria “pressão externa” contra secretários de seu staff.

O contorno político da situação teve início nas eleições do ano passado, quando Antônio Joaquim teria se mostrado aberto a disputar um cargo eletivo nas eleições majoritárias de 2018. No começo deste ano, ele anunciou sua aposentadoria do TCE-MT para o fim do ano.

O anúncio abriu espaço para especulação política sobre as eleições para o Governo de Mato Grosso, em 2018 . O presidente do Diretório regional do PSDB, deputado federal Nilson Leitão, admitiu que Taques se sentiu pressionado pela denúncia do TCE-MT por seu viés político eleitoral.

Leia mais:

Jayme: troca de farpas entre Taques e Antonio Joaquim é ruim para o Estado

Botelho diz que rusga entre Taques e Antônio Joaquim é caso encerrado

Leitão diz que Antônio Joaquim "contaminou" atuação no TCE-MT

Desembargador nega pedido do TCE ao identificar motivação política

Dilmar: Antônio Joaquim já se coloca como pré-candidato ao Governo

Arrogância de Taques não me assusta, rebate Antônio Joaquim

Taques: “Não aceito que secretários do meu Governo sejam constrangidos"

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE