Quarta-Feira, 18 de Janeiro de 2017
PROCURADOR-GERAL

Novo chefe do MP irá priorizar saúde e o combate à corrupção

Mauro Curvo afirmou que irá contratar novos servidores e priorizar o trabalho alinhado à tecnologia para melhorar resultados

Novo chefe do MP irá priorizar saúde e o combate à corrupção
 

O novo chefe do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), o procurador Mauro Curvo, deverá assumir a chefia do órgão em março deste ano, com duas principais áreas de atuação. Curvo irá concentrar as atividades do órgão no combate à corrupção e na área da saúde. “Precisamos trabalhar a saúde de modo diferente e trabalhar no combate à corrupção”, afirmou.

A nomeação do novo procurador-geral de Justiça foi publicada no Diário Oficial do Estado, nesta terça-feira (10). O procurador foi designado pelo governador Pedro Taques (PSDB), após ter recebido maior número de voto, na lista tríplice dos membros do Ministério Público. Curvo deverá comandar o Ministério Público Estadual no biênio 2017/2018.  

Em entrevista à Rádio Capital, na manhã desta quarta-feira (11), Mauro Curvo, defendeu a contratação de medicamentos pelos municípios de maneira conjunta. Segundo o procurador, deveria ser realizado um “pregão único” para todos os 141 municípios, para compra de materiais, medicamentos e equipamentos hospitalares.

Curvo argumenta que isso iria diminuir os custos dos medicamentos, principalmente para os municípios mais pobres e que contratam quantidades pequenas de medicamentos.

“Isso vai derrubar sensivelmente o preço, porque nós vamos ganhar em economia de escala. Quanto menor e mais pobre o município, maior será o benefício dele. Porque ele vai pagar por um valor unitário muito menor”, disse.

Mauro Curvo ainda afirmou que já se reuniu como prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB) e a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), para tentar unir esforços. Agora, ele pretende procurar a Associação Mato-grossense dos Munícipios (AMM) para alcançar as cidades do interior.

Curvo ainda elogiou a estrutura do MP e do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). Ele defendeu ainda a contratação de novos servidores e uma atuação alinhada com tecnologias. “Não será só gente -, será gente e tecnologia. O somatório de gente mais tecnologia irá nos dar mais e melhores resultados nesse combate à corrupção”, esclareceu. 

COMENTAR