Quinta-Feira, 25 de Maio de 2017
NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

PEC dos gastos públicos só deve ser votada em fevereiro

Em reunião, o deputado Eduardo Botelho aconselhou os servidores a encontrarem uma forma de convencimento em contrário a proposta

PEC dos gastos públicos só deve ser votada em fevereiro
 

(Foto: Assessoria) 

Cerca de vinte pessoas, representantes do Fórum Sindical, se reuniram nesta terça-feira (10) com deputados estaduais na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT) para pedir que o projeto do teto dos gastos públicos não seja votado esta semana. Em resposta, o vice-presidente da Casa de Leis, Eduardo Botelho (PSB) garantiu que a pauta não será discutida antes de fevereiro.

A preocupação dos servidores era de que o projeto entrasse em pauta esta semana e fosse descartado pelos parlamentares. Segundo o vice-presidente da AL, os deputados ainda não têm conhecimento do teor da proposição. “Fizemos um compromisso de não votar o projeto antes de fevereiro e também acredito que o governo não enviará agora a proposta. Quando mandar a mensagem, vamos analisar com calma e todos terão oportunidade de conversar e debater com os deputados a matéria” garantiu Botelho.

Entretanto, o deputado adiantou que existe uma tendência de aprovação da mensagem, uma vez que há uma determinação vinda de Brasília-DF para que isso ocorra. “Se não eles podem suspender o pagamento da dívida, além da questão da ajuda do governo federal aos estados. Tudo isso será levado em consideração, então cabe aos servidores encontrar uma forma de convencimento em contrário”.

SESSÕES ORDINÁRIAS - Nas sessões ordinárias previstas para os dias 11 e 12 de janeiro terão prioridade em pauta à aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) e das contas do governo - referentes ao exercício de 2015. Regimentalmente, com a aprovação da LOA os deputados darão início ao recesso parlamentar, retomando as atividades em 01 de fevereiro com a sessão de posse da nova Mesa Diretora, biênio 2017/2018, tendo o deputado Eduardo Botelho na presidência.

Leia mais: Taques: Teto de gastos pode gerar economia de R$ 1,5 bilhão

(Com: Assessoria) 

COMENTAR