PUBLICIDADE
MORTE DE ALUNO BOMBEIRO

Tenente Ledur já havia sido denunciada por maus-tratos e pressão psicológica

Soldados disseram que eram aterrorizados e obrigados a dormir no chão, no meio de bichos perigosos, como escorpiões

Raul Bradock

Estagiário

18/11/2016 13h50 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00 1 comentario

Fotos: Ahmad Jarrah

Com Sandra Carvalho  

A tenente Izadora Ledur de Souza Dechamps, acusada de torturar o aluno Rodrigo Claro, já havia sido denunciada em 2015 pelo Ministério Público Estadual (MPE) por maus-tratos durante treinamento de soldados do Corpo de Bombeiros. O denunciante acusou a tenente e um sargento da corporação de praticar pressão psicológica e, inclusive, de obrigar os alunos a dormir no chão em meio a bichos perigosos, como escorpiões. Por “falta de elementos informativos suficientes”, o juiz da 11ª Vara Especializada da Justiça Militar da Capital, Marcos Faleiros da Silva, arquivou o inquérito policial.

Izadora Ledur voltou a ser acusada de exceder no treinamento realizado dia 10 de novembro passado na Lagoa Trevisan, em Cuiabá (MT), que levou à morte o aluno bombeiro Rodrigo Claro (21), sepultado esta semana em Tangará da Serra, a 240 km da Capital. 

O processo contra a tenente Izadora Ledur e também contra seu colega, o sargento, Josymar de Oliveira Silva, foi aberto no Ministério Público Estadual (MPE) dia 10 de novembro de 2015 sob a responsabilidade do promotor o promotor Allan Sidney Souza.

A denúncia dava conta de que os soldados estariam sofrendo pressão psicológica por parte da tenente e que o sargento Josymar é quem executaria as ordens dadas por ela.

“O sargento aterroriza os pelotões de soldados, obrigando-os a dormir no chão, no meio de bichos perigosos, como escorpiões. Os soldados dormem em quiosques dentro do batalhão, ao ar livre. Pedimos providências, porque entendemos que os soldados estão lá para aprender e não para serem hostilizados”.

O CASO

A mãe de Rodrigo Claro e colegas denunciam a tenente por excessos e abusos durante treinamento do Corpo de Bombeiros. O jovem de 21 anos teria sofrido uma série de afogamentos propositais pela tenente, e depois o obrigado a fazer um percuso de natação. Isso teria levado o aluno a passar mal e dar entrada em uma unidade de saúde. Rodrigo morreu cinco dias após o treinamento realizado na Lagoa Trevisan, em Cuiabá.

“No início da travessia, pelo que me foi passado pelos colegas, a menos de dez metros que ele estava nadando na lagoa para fazer a travessia, a tenente começou a afoga-lo, segurando na cintura dele e levando para o fundo da lagoa”, afirma Jane Patrícia, mãe de Rodrigo.

Laudo inicial do Instituto Médico Legal (IML) de Cuiabá apontou a causa da morte como indefinida. A tenente foi afastada de suas funções e o Corpo de Bombeiros abriu um inquérito para apurar o fato. Novo laudo que apontará a real causa da morte deve ficar pronto nos próximos dias.

A reportagem entrou em contato com a tenente, mas não obteve retorno até o fechamento da matéria.

O outro lado

O Circuito Mato Grosso aguarda resposta da corregedoria do Corpo de Bombeiros. A reportagem ainda entrou em contato com a tenente Ledur e com o sargento Josymar mas não obteve resposta.   

Leia mais

“A tenente só pegou meu filho entre trinta alunos”, aponta mãe de aluno bombeiro morto

 Laudo da morte de aluno bombeiro pode demorar até 60 dias; tenente é afastada

Aluno que passou mal em treinamento dos Bombeiros morre em Cuiabá

1 COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. Deve ter raiva de homens por motivos diversos e gosta de descontar nos alunos. Cadeia nela. Se fosse com um filho meu muita chance teria ela de ser morta também.

  2. Eu acredito na lei do retorno aqui se faz aqui se paga ela vai ter o que merece ela destruiu uma família.

  3. pega

  4. Se fosse meu filho ela iria pro mesmo lugar que meu filho..

  5. Que Deus cuide da familia dessa pessoa pra que nunca passe oque a mae desse rapaz esta passando. Pois sabera a dor de uma perda por tamanha crueldade.

  6. Não, não se preocupem, o ser humano ainda não está pronto para aceitar seus erros ou mesmo julga-los. Acreditem, somos ainda incapaz sequer em ter a mínima consciência do é certo ou errado. Vejamos o que se tem por traz do ódio, o que se tem por traz do amor, da confiança ou da desconfiança. Não sabemos ainda. Ainda não somos merecedor desse poder. Chegaremos lá um dia, mas ainda não chegamos. Quem é a vítima, quem é o algoz, não sabemos com precisão. Roguemos ao nosso Pai maior e com a ajuda do nosso irmão maior; Jesus Cristo, acharemos esse sonhado caminho que diante das nossas evoluções somos e seremos merecedores. Diante de crises, conflitos e confrontos e inúmeras ocorrências, sentimos impotências alarmantes é muito natural. É muito difícil aceitarmos o tamanho da nossa ignorância porque ainda somos ignorantes o suficiente para entende-las. Sigamos todos em frente pois o caminho ainda é esse. Todos os momentos ainda vemos duas famílias aterrorizadas não entendendo nada do ocorrido e sentindo semidestruídas. Assim ambas se entreolham e havendo ali um pacto do aumento dos seus ódios que lamentavelmente seguirá seus caminhos em muitas existências. Que Deus vos abençoem hoje e sempre acalmando-os, confortando-os. Viver é progredir. O resgate é uma consequencial natural.

  7. Nao vai dar em nada. Querem ver como o laudo vai atestar q o coitado morreu de AVC?

  8. éééé preciso uma minuciosa investigação,concretizando ai sim , cadeia nela ...

  9. A lei do retorno existe e aqui mesmo neste plano.vai pagar com a mesma dor.isso é certo.nada fica impune.nem é praga não é que essa lei não falha.teria vergonha dessa criatura ser minha filha.

  10. Assim como no caso do Sd que morreu no lago de manso,daqui a pouco a nobre oficial vai ganhar a medalha de honra ao merito e chegar ao posto maximo por matar alguem. Parabens MPE por cobtribuir que pessoas assim continuem a manchar a honrosa instituiçao Policia militar de MT

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE