PUBLICIDADE
OPERAÇÃO SPARSUM

Polícia desarticula grupo atuante no tráfico de drogas e comércio de armas no interior de MT

Os 42 mandados expedidos pela Operação Sparsum foram cumpridos em cinco cidades do Estado; investigações apontaram que a organização tinha vários núcleos de atuação

Da Redação

Equipe

07/12/2021 14h10 | Atualizada em 07/12/2021 15h00

A Polícia Civil cumpriu, na manhã desta terça-feira (7), 42 mandados judiciais para desarticular um grupo criminoso envolvido com tráfico de drogas e comércio de armas nas cidades de Juína e Aripuanã (735 km e 1.002 km a noroeste de Cuiabá, respectivamente). Os trabalhos fazem parte da Operação Sparsum.



No total, 18 pessoas foram presas, três flagrantes foram lavrados, além da apreensão de armas de fogo, munições, drogas, dinheiro e apetrechos relacionados ao tráfico. As ordens judiciais foram cumpridas nas cidades de Aripuanã, Tangará da Serra, Rondonópolis, Alta Floresta e Juína.

A força tarefa foi deflagrada com base nas investigações da Delegacia de Aripuanã que identificaram suspeitos de praticarem uma série de ações criminosas na região noroeste do estado, como o fornecimento, distribuição e venda drogas, armas de fogo e munições, atuando no narcotráfico em Aripuanã, região e na Vila do Garimpo.

As investigações apontaram que os suspeitos faziam parte de uma rede criminosa responsável por uma intensa atividade criminosa envolvendo a prática de crimes de tráfico de drogas, associação para tráfico de drogas e comercialização ilegal de armas de fogos, estando a organização dividida em três grupos (Núcleo de fornecimento; Núcleo de distribuição e Núcleo de varejo/outros).



Segundo o delegado responsável pelas investigações, Philipe de Paula da Silva Pinho, os suspeitos se organizavam de modo a preencher os três setores da comercialização de entorpecentes e, agindo dessa maneira, coletivamente, mas sem hierarquização e centralização de atividades, conseguindo se manter ao largo das investigações policiais.

"A atuação descentralizada e rotativa permitiria uma rápida e eficiente troca de parcerias e atividades criminosas entre os agentes, que todavia, foram identificados pelos mencionados núcleos principais de suas atuações”, disse o delegado.

Além da atuação centrada no tráfico de drogas, o grupo praticava crimes de outras naturezas graves, desde comércio de armas até ameaças e aparentes ações violentas, com uso de arma de fogo, aos usuários que adquiriam entorpecentes e não pagavam.

A operação, coordenada pelos delegados Philipe de Paula da Silva Pinho e Carlos Henrique Engelmann, contou com quatro delegados e a participação das com equipes das Regionais de Nova Mutum, Juina, Tangará, Primavera, Sinop, Alta Floresta, Rondonópolis, além da, Gerência de Operações Especiaisi (GOE), Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e apoio aéreo do Ciopaer.



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE