PUBLICIDADE
AMIGO DA FAMÍLIA

Preso 4º suspeito de envolvimento na morte de servidora de Várzea Grande

O suspeito, William Neto Leite, é conhecido da família, filho de uma amiga da vítima. Ele passou informações privilegiadas para os assaltantes

João Freitas

Repórter

12/07/2019 09h12 | Atualizada em 12/07/2019 09h29

Preso 4º suspeito de envolvimento na morte de servidora de Várzea Grande

Reprodução/Internet

A Polícia Civil prendeu na manhã desta sexta-feira (12), o quarto suspeito de participação no assassinato da servidora pública Sandra Regina Siqueira Travaína, 48 anos, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá-MT. William Neto Leite é filho de uma amiga da servidora e teria passado informações privilegiadas para os criminosos que executaram o crime sobre a rotina da assistente social e dos bens que a vítima tinha em casa.



O rapaz era considerado próximo da família de Sandra e se dizia sobrinho da vítima. Ele teria contado aos comparsas que havia joias e dinheiro na residência da servidora pública e revelou detalhes da rotina dos familiares da assistente social.

William tem passagens criminais por roubo majorado e receptação, e é considerado um criminoso contumaz na prática de delitos. "Elementos comprovam que ele é coautor do latrocínio. Foi ele quem planejou tudo, que repassou informações privilegiadas, ou seja, quem encomendou o roubo", disse a delegada Elaine Fernandes, da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (Derf-VG).

A delegada Elaine Fernandes da Silva, disse que o prazo da conclusão do inquérito vence nesta sexta-feira e ainda apura um quinto suspeito de ter auxiliado na logística e transporte dos criminosos até o local e suporte na fuga. 



Os três executores do latrocínio são André Luiz Gomes, 20 anos, conhecido por “neguinho”, Jordão Rodrigues Neto, e Maikon Douglas Alves dos Santos (Sujeirinha). Eles já foram presos pela polícia.

André Luiz foi preso em Cáceres no dia 7 de julho. Jordão Rodrigues se apresentou na Delegacia no dia 9, e Maikon Douglas dos Santos se entregou no dia seguinte, 10 de julho, alegando estar mais seguro preso.

Os suspeitos estão indiciados por latrocínio consumado e associação criminosa.

.

FONTE: PJC-MT



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE