PUBLICIDADE
ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA

Suspeitos de sequestrarem esposa de ex-secretário da Sefaz são presos

Três dos suspeitos identificados nas investigações contra a mulher de Marcel de Cursi já estavam presos por outros crimes

Da Redação

Equipe

20/03/2017 12h11 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

A Polícia Judiciária Civil (PJC) cumpriu, na manhã desta segunda-feira (20), mandados de prisão contra quatro suspeitos de envolvimento no sequestro da esposa do ex-secretário de Estado de Fazenda, Marcel Sousa de Cursi, preso no Centro de Custódia da Capital (CCC), desde setembro de 2015, por conta da Operação Sodoma.

Os mandados foram cumpridos pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). Três dos suspeitos identificados nas investigações já estavam presos por atuação em outros crimes e tiveram as ordens de prisão cumpridas dentro do presídio.

N.L.S.N., 23, está preso na Penitenciária Central do Estado (PCE), J.D.O., 28, no Centro de Ressocialização do Carumbé (CRC), A.G.S.S., 22, na Cadeia Pública de Chapada dos Guimarães.

O quarto suspeito, E.R.G., 36, foi preso em sua casa, no bairro Osmar Cabral, sendo constatado o rompimento da tornozeleira eletrônica, a qual deveria utilizar por determinação judicial. Os quatro suspeitos responderão pelos crimes de roubo majorado e associação criminosa.

O crime

A vítima foi abordada por três homens armados e vestidos com camisetas da Polícia Civil, no dia 21 de junho de 2016, quando entrava com seu veículo na garagem de sua residência, no bairro Jardim Shangri-lá, na Capital.

A mulher foi encapuzada e colocada no banco traseiro de seu veículo, junto a um dos suspeitos, enquanto os outros dois seguiram nos bancos da frente. Os criminosos agrediram a vítima fisicamente com socos, exigindo que ela entregasse R$ 7 milhões, supostamente oriundos de desvios realizados pelo seu marido, quando ocupou a Sefaz.

Em depoimento, a esposa do ex-secretário contou que os suspeitos a levaram para um matagal, onde a obrigaram a ficar de joelhos e novamente a agrediram, chegando a colocar o cano da arma na sua cabeça e puxar por três vezes o gatilho. Após ser deixada pelos criminosos, a vítima teve que andar pela mata até encontrar ajuda.

Segundo o delegado Diogo Santana Souza, os quatro suspeitos apresentam extensa folha de antecedentes criminais por envolvimento em crimes contra o patrimônio.

Com assessoria

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE