PUBLICIDADE

Pérolas Online - Página 139

SUPLEMENTO PODEROSO NO TCE

16,9 milhões no Orçamento Fiscal

O Diário Oficial publicou na última quarta-feira um decreto abrindo R$16,9 milhões no Orçamento Fiscal a título de crédito suplementar em favor do TCE. Destino do recurso: fiscalização e controle de arrecadação e aplicação dos recursos públicos, manutenção e conservação de bens imóveis, manutenção de serviços administrativos gerais e gestão de tecnologia da informação. Então tá!

ESCLARECENDO

Filho feio é assim: nunca tem pai!

Enquanto nosso governador culpa a Infraero pela obra inacabada diante da imprensa, é importante frisar que o governo do Estado assumiu a empreita e não deu conta do recado. Filho feio é assim: nunca tem pai!  

PROTESTO NO MARECHAL

Manifesto pela internacionalização do Aeroporto Marechal Rondon

Representantes do setor de turismo, mobilizados, organizaram manifesto pela internacionalização do Aeroporto Marechal Rondon. Pra Fifa, durante os jogos em Cuiabá, foi tudo lindo... Internacional. A toque de caixa. Pra população mato-grossense, nada! Funcionários do aeroporto comentam que às vésperas da Copa centenas de operários trabalharam na “maquiagem” do lugar e que, passados os jogos, sumiram deixando apenas aqueles tecidos pendurados fazendo as vezes de teto e parede. Vexame! No balcão do check-in, escadinha de compensado. Pra onde foram os mais de R$ 100 milhões com direito a aditivos e tudo mais? 

SOBRE JAYME

"Efeito Riva" e condenação entre os motivos da saída

Falam... e como falam! O recuo de Jayme Campos, embora tenha diversos fatores registrados na tal carta, poderiam ser na verdade por dois outros motivos. Primeiro o “efeito Riva”, que pode ter mexido com o senador e deixado um certo desconforto pela proximidade e empatia que há entre eles.  Segundo por uma falada condenação que teria sofrido em 2009 e poderia ameaçar novo mandato. Os suplentes da chapa de Jayme, Luciane Bezerra e Nilson Leitão com certeza serão os primeiros a tentar se viabilizar na vaga deixada pelo senador. Ela, como mulher que já cumpriu mandato de deputada estadual e com base política em Juara, terra de Riva, com certeza é um nome forte na disputa.  

CAMINHO INVERSO

Chega empresário capenga financeiramente e sai político gordo e rico

Falando em jornada política e ambição, não tem como não comentar que Mauro Mendes fez exatamente o contrário de outros empresários que enveredaram para a vida pública eletiva. Normalmente, chega o empresário capenga financeiramente e sai aquele político gordo e rico. Como foi o caso de Maggi... Fontes desta colunista que participaram da contabilidade da Amaggi comentam que quando eleito em 2002, a empresa possuía débitos da ordem de 280 milhões de dólares e ia vivendo rolando de safra em safra. Hoje, o próprio Maggi arrota seus R$ 5 bilhões anuais de faturamento. Já Mendes entrou próspero e, se bobear, sai empobrecido. Isso dito por bocas também próximas a ele, que temem pelos seus ímpetos e pela atenção que hoje não pode mais dedicar aos seus negócios. 

RACHA

Repentina saída de Jayme mostra fragilidade entre Taques e Mendes

A repentina decisão de Jayme Campos de abandonar a disputa ao Senado ao lado de Pedro Taques, seguida da carta aberta na qual expõe suas razões (oficiais), só vem confirmar a visível fragilidade na relação política e partidária entre Pedro Taques e Mauro Mendes. Iniciaram juntos a labuta rumo à conquista do poder, na qual Pedro foi vencedor, Mauro perdedor – na disputa contra Silval ao governo – para então se reencontrarem nesta sinuca de bico, em que Taques quer o Governo e Mauro cumpre seu mandato à frente do Alencastro com os dois olhos voltados ao Paiaguás, seu alvo original. Feridas expostas, é esperar pra ver a conduta de Mendes neste pleito, em que moralmente deveria apoiar seu companheiro de corpo, alma e coração. Tem que se despir do ego e da ambição.  

Em cima do muro, o senador não cumpriu com o dever partidário que o obriga a subir no palanque do PR
DESENCANTA!

Em cima do muro, o senador não cumpriu com o dever partidário que o obriga a subir no palanque do PR

Blairo Maggi está em débito com a política e os políticos mato-grossenses. Em cima do muro, o senador não cumpriu com o dever partidário que o obriga a subir no palanque do PR, tampouco com o de amigo, parceiro ou coisa que o valha, que o levaria a bancar um rompimento partidário e declarar seu compromisso pessoal e ideológico. Parece que Maggi está com medo e por isso se omite. Triste fim para o candidato a estadista que um dia foi cogitado a se tornar até presidente da República...    

ENQUANTO ISTO...

O governador parece não se preocupar com o “legado da Copa”

O governador parece não se preocupar com o “legado da Copa”. Tanto que se propôs a aparecer numa selfie feita por sua esposa Roseli na final da Copa do Mundo e compartilhada nas redes sociais. Claro que o primeiro-casal também se propôs a ficar exposto às críticas que vieram em forma de comentários e compartilhamentos pejorativos na sequência. Fazer o quê?  

- 1 comentario