PUBLICIDADE
TRAGÉDIA

Após furacão Irma, Itamaraty organiza resgate de 65 brasileiros no Caribe

Ao todo, 65 cidadãos do país que estão no Caribe são monitorados pelo Ministério das Relações Exteriores

11/09/2017 06h36 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

O governo brasileiro prepara um plano de remoção para retirar 32 cidadãos brasileiros que estão na ilha de Saint Martin, no Caribe, após a passagem do furacão Irma pela região deixar ao menos 27 mortos em cinco ilhas. Neste domingo (10), o Irma perdeu a força e atingiu a Flórida , deixando mais três mortos.

Ao todo, 65 cidadãos do país que estão no Caribe são monitorados pelo Ministério das Relações Exteriores, que também trabalha com o governo do Reino Unido para resgatar os brasileiros que estão em territórios britânicos na região.

Os brasileiros sob atenção consular estão localizados nas Ilhas Virgens Britânicas (22 pessoas), em Turks e Caicos (11) e na ilha de Saint Martin (32), território de 87 km2 que pertence parte à França e parte à Holanda e que foi um dos mais devastados pelo Irma.

Segundo o Itamaraty, eles foram deslocados para abrigos, como a maioria das populações locais -as administrações das ilhas não fazem distinção entre locais e turistas ao prestar socorro. Alguns já teriam sido incluídos em planos de remoção executados por França e Holanda.

Na próxima terça (12), o governo enviará um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para Saint Martin, onde as condições meteorológicas melhoraram. Em Tortola (Ilhas Virgens britânicas) o aeroporto ainda não apresentava condições de pouso até o início da noite deste domingo.

O Brasil não tem representação diplomática nos territórios em questão, e o atendimento tem sido feito por telefone e mensagens. Os consulados e embaixadas mais próximos, que trabalham na prestação de assistência, estão em São Cristóvão e Nevis, Barbados e Trinidad Tobago.
SEM CONTATO
Na tarde deste domingo, o Itamaraty não contabilizava desaparecidos entre os brasileiros.

O ministério, porém, ainda não havia conseguido informações sobre Mariana Fischer Costa, uma médica gaúcha que estava em Saint Martin com o marido e a filha de três anos.

A família de Mariana afirma que tenta conversar com ela desde quinta, quando recebeu uma mensagem de áudio com relatos da tragédia. Costa, que está grávida, embarcou com o marido e a filha em 1º de setembro, e a viagem deveria durar até a próxima semana.

Prima de Mariana, Fernanda Fischer disse à reportagem que neste domingo a família recebeu uma mensagem de texto, sem assinatura e de um telefone desconhecido. O recado dizia que estavam na fila para embarcar em um avião militar holandês, para que pudessem deixar a ilha.

"Acho que ela não saiu [de Saint Martin]. Todas as informações que a gente tem são muito desencontradas", disse Fischer, que recebeu do Itamaraty a notícia sobre o envio do avião da FAB, mas sem detalhes.

"A nossa preocupação agora é conseguir avisá-los do avião, porque nos disseram que ele vai chegar às 15h e sair às 15h30. Não tem como ficar esperando", diz a prima da brasileira.

O Itamaraty disponibilizou dois telefones do núcleo de assistência a brasileiros, que trabalha neste fim de semana em regime de plantão, para famílias que estejam à procura de informações de parentes no Caribe.

Das 6h às 20h, funcionam os telefones +55 61 2030 8803/8804 e o e-mail dac@itamaraty.gov.br. Das 20h às 8h, as informações poderão ser obtidas pelos telefones + 55 61-98197-2284 e +55 61-99834-6963 (plantão consular para atendimentos relacionados às ilhas do Caribe).

Na Flórida, onde se estima viverem entre 300 mil e 350 mil brasileiros, além dos turistas, o consulado em Miami foi fechado e temporariamente realocado para Orlando, onde funciona em regime de força-tarefa. Informações de emergência podem ser obtidas pelos números + 1 305-285-6208/6258/6251/6213. Quase 1/3 dos 20,6 milhões de moradores do Estado recebeu ordens para deixar suas casas.

FONTE: FolhaPress

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE