PUBLICIDADE
BANCO PAN

Por ausência de prova, Banco PAN não pagará indenização milionária

Segundo o relator, desembargador Sérgio Roberto Nóbrega Rolanski, o documento apresentado pelo autor não poderia ser considerado uma prova contra terceiros, mas somente em relação aos contratantes.

Da Redação

Equipe

29/09/2021 16h08 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Por ausência de prova, Banco PAN não pagará indenização milionária

Divulgação

Em uma decisão proferida pela 8ª câmara Cível do TJ/PR, o banco PAN arrendamento foi isento de indenizar cidadão em R$ 1.013.575,39. O colegiado, ao reverter a sentença, entendeu que não havia provas suficientes que sustentavam a alegação do autor de que havia deixado de ganhar mensalmente R$ 4.850 ao longo de quase cinco anos.



O autor entrou com ação pleiteando lucros cessantes pelo período em que seu caminhão ficou apreendido, segundo ele ilegalmente. A alegação era de que, entre 29/1/10 e 2/12/14, o motorista deixou de ganhar mensalmente R$ 4.850 e, portanto, caberia ao banco a indenização a título de danos materiais acrescido de juros de mora de 1% ao mês (CC/02, art. 406 c/c CTN, art. 161, § 1º) e correção monetária.

Para tanto, o autor apresentou um contrato particular assinado somente por ele, sem indicação do representante legal ou presença de testemunhas. Na primeira instância o pedido foi acatado, porém o TJ/PR reformou a sentença.

Segundo o relator, desembargador Sérgio Roberto Nóbrega Rolanski, o documento apresentado pelo autor não poderia ser considerado uma prova contra terceiros, mas somente em relação aos contratantes.



Além disso, seria inequívoco que a quantia descrita no documento de R$ 4.850 mensais representaria o lucro líquido que seria auferido, pois também recairia sobre essa quantia a dedução de montante referente a incidência de tributos.

Para o TJ paranaense o dano não ficou comprovado e o colegiado determinou, assim, a extinção de qualquer indenização.

Na opinião do advogado Ian Mac Dowell Figueiredo, do Serur, Camara, Mac Dowell, Meira Lins, Moura, Rabelo e Bandeira de Mello Advogados, que atuou na causa pelo banco, a decisão foi assertiva, pois "as provas apresentadas eram unilaterais, que nada comprovavam e, portanto, não havia razão para arcar com danos inexistentes".

Processo: 0008623-03.2021.8.16.0000 - link: https://www.migalhas.com.br/quentes/352397/por-ausencia-de-prova-banco-pan-nao-pagara-indenizacao-milionaria

FONTE: Redação Migalhas



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE