PUBLICIDADE
DO WHATSAPP

Perícia aponta que Blairo não apagou mensagens de seu celular

Estudo encomendado pela própria defesa do ministro aponta que a única forma de deleção possível é por meio físico - quando o aparelho já estava em posse dos policiais

Allan Pereira

Jornalista

14/09/2018 16h00 | Atualizada em 14/09/2018 15h30 5 comentarios

Perícia aponta que Blairo não apagou mensagens de seu celular

Valter Campanato/AgênciaBrasil

Uma perícia encomendada pela defesa do ministro Blairo Maggi atestou que ele não apagou mensagens de seu celular, após a deflagração de uma das últimas fases da Operação Ararath. O documento foi protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta  quinta (13). As informações foram dadas pelo jornal Estadão.

Segundo o jornal paulista, o documento aponta que Blairo não instalou uma ferramenta chamada WhatsAp Web Desktop. Segundo os peritos, a ferramenta (que é instalada em um computador) é a única forma de excluir mensagens de forma remota. A perícia foi feito quatro peritos do Instituto Brasileiro de Perícias.

O celular de Blairo foi apreendido na deflagração da Operação Malebolge - décima segunda fase da Ararath - há exato um ano. Na ocasião, ele foi um dos alvos da delação do ex-governador Silval Barbosa. O delator revelou um esquema de compra e venda de cadeiras do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para que um aliado político ocupasse uma das vagas deixadas por um dos cinco conselheiros.

Além de Blairo, o celular de sua esposa Terezinha Maggi também foi apreendido. O casal tentou reaver os aparelhos. Mas, em sua última decisão, o ministro Luiz Fux (que é o relator do processo no STF) negou o pedido.

Para o magistrado, há indícios de que as mensagens em contatos e grupos de WhatsApp de Terezinha e Blairo foram apagadas do telefone no mesmo dia da deflagração da Malebolge e quando o aparelho já estava em posse dos policiais.

A Polícia Federal ainda tenta entender o ocorrido e investiga a situação. A suspeita é que as mensagens tenham sido apagadas remotamente. Os agentes dizem também que conversas particulares não foram localizadas no Whatsapp de Maggi - nem mesmo as familiares.

Mas, segundo o documento apresentado pelos peritos, a única forma de deleção é a física. Ou seja, alguém apagou as mensagens do próprio celular quando estava apreendido pelos policiais. Isto, por que se o WhatsAppp de Blairo estivesse conectado e sincronizado a um computador, o histórico no aplicativo de mensagens no aparelho telefônico mostraria a conexão e, consequentemente, a possibilidade de Maggi (ou alguém a mando dele) tenha excluído as mensagens de forma remota.

"Considerando que não foram apresentadas evidências de que o ‘WhatsApp Web’ estaria configurado e em uso, seja no aparelho analisado, seja em outros dispositivos apreendidos em poder do consulente, que seria a única hipótese de apagamento pela via remota, a única forma possível de delação, caso tenha ocorrido, é a deleção física, mediante procedimentos locais, isto é, após a apreensão do aparelho celular", diz trecho da perícia.

Blairo e seu advogado Fábio Galindo se manifestaram ao Estadão. A defesa disse que o fato da exclusão de mensagens serem física é gravíssimo e merece imediata apuração. “O caso revela descuido e erro crasso de procedimentos ou o que é muito pior, má-fé e prova forjada”, disse Galindo.

Por meio de sua assessoria, Blairo disse que vem "rechaçando a acusação" desde a apreensão dos celulares e da suspeita de deleção remota.

No dia da deflagração da Malebolge, Fux autorizou buscas de mandado e apreensão nos imóveis de Blairo Maggi em Mato Grosso e no Distrito Federal. O atual ministro do Governo Federal é um dos acusados que buscava obstruir as investigações para que não fossem produzidas provas contra si próprio, segundo o STF.

No início de maio, Blairo e o conselheiro afastado Sérgio Ricardo foram denunciados pela Procuradoria Geral da República com base nesse caso. Eles são acusados de corrupção ativa. A entidade pediu que fossem determinadas a perda da função pública e a reparação do dano patrimonial no valor de R$ 4 milhões, além de indenização por dano moral coletivo.

Leia mais

5 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. only professional writers can make this kind of material, cheers Help With CS Assignment

  2. Thanx for sharing such useful post keep it up :) HBS Case Studies Solutions

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE