PUBLICIDADE
DE VOLTA AO JOGO

Procuradoria Regional Eleitoral aprova candidatura de deputado Mauro Savi

Agora cabe ao  Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aceitar ou não o pedido de registro de candidatura do deputado

Juliana Arini

Editora

13/09/2018 14h45 | Atualizada em 13/09/2018 17h45 1 comentario

A Procuradoria Regional Eleitoral, concedeu deu parecer favorável ao registro de candidatura do deputado estadual Mauro Savi (DEM). O documento foi publicado na quarta-feira (12). Uma semana após deixar o Centro de Custódia da Capital (CC), a Executiva do Democratas em Mato Grosso aprovou o envio do pedido de candidatura do deputado à Justiça Eleitoral. Caberá ao  Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aceitar ou não o pedido de registro de candidatura do deputado. 

Em seu parecer, a procuradora eleitoral, Cristina Nascimento de Melo afirmou que Mauro Savi encontra-se elegível.  “O Ministério Público Federal, por intermédio da Procuradoria Regional Eleitoral, após a devida análise do pedido de registro de candidatura em epígrafe e constatada a sua regularidade, com a presença das condições de elegibilidade e ausência de condições de inelegibilidade, manifesta-se pelo seu deferimento”. Outro trecho diz "O Ministério Público Federal, [...] após a devida análise do pedido de registro de candidatura em epígrafe e constatada a sua regularidade [...] manifesta-se pelo seu deferimento".

Mauro Savi é réu na ação penal derivada da Operação Bereré, ficou preso por três meses, e mesmo assim almeja a reeleição na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

O deputado foi preso no dia 9 de maio, durante a segunda fase da operação, mas foi solto no dia 22 de agosto por decisão do Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

A operação apura um esquema de fraude, desvio e lavagem de dinheiro no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT), na ordem de R$ 30 milhões. O esquema operou de 2009 a 2015, segundo o Ministério Público Estadual (MPE).

Operação Bereré

A Operação Bereré investiga repassados pelas financeiras à EIG Mercados  que mantinha contrato com o Detran. Denuncias apontam que esses repasses retornava como propina a políticos e empresários.  Os fatos vieram à tona a partir da colaboração premiada de Teodoro Moreira Lopes, o “Doia” (indicado por Mauro Savi para a presidência do Detran-MT).

O deputado é apontado como um dos líderes e maiores beneficiários do esquema. Segundo denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) savi teria exigido R$ 1 milhão dos sócios da EIG, em 2014, para aceitar encerrar as negociações ilícitas.

 

Saiba mais:

.

1 COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE