PUBLICIDADE
JUSTIÇA EM ROSÁRIO OESTE

Gaeco prende PM por feminicídio de menina de 13 anos

Wender Lóris Sampaio foi condenado à pena de 19 anos, em 2012, pelo homicídio de Tatiane Machado Yamate, de 13 anos

Da Redação

Equipe

07/12/2017 16h44 | Atualizada em 07/12/2017 20h16

Gaeco prende PM por feminicídio de menina de 13 anos

Ilustração/Internet

Um policial militar (PM)foi preso por assinar uma jovem de 13 anos a queima roupa há 22 anos em Rosário Oeste. Agentes do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) prenderam no último dia 05, no município de Rosário Oeste, o  Wender Lóris Sampaio, condenado em agosto de 2012 à pena de 19 anos e 10 meses de reclusão por homicídio qualificado praticado contra Tatiane Machado Yamate. O crime ocorreu no município de Colíder em 04 de agosto de 1995, quando a vítima tinha apenas 13 anos de idade.

Consta na denúncia que o réu, na época com 22 anos de idade, mantinha relação com a vítima e, após discussão no interior de um veículo, sacou de um revólver calibre 38 e disparou contra Tatiane um tiro a queima roupa, que a atingiu na região toráxica. O policial militar foi denunciado pelo Ministério Público quatro dias após a ocorrência do crime,

Disturbio mental

Em 2006 o processo foi suspenso sob a alegação de que o réu possuía distúrbio mental. Após várias perícias, ficou comprovado que o mesmo contava com perfeitas condições mentais e o processo voltou a seguir o seu trâmite normal.

Em agosto de 2012, 17 anos após a ocorrência do crime, o policial militar foi levado a julgamento. Na ocasião, os jurados acolheram a tese defendida pelo Ministério Público e o condenaram por homicídio com as qualificadoras: motivo fútil e utilização de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. A pena aplicada foi de 19 anos e 10 meses de reclusão, mas foi concedido ao réu o direito de recorrer da sentença em liberdade.

Em 05 de agosto de 2015, a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, por unanimidade, julgou pela improcedência do recurso. O mandado de prisão do réu, no entanto, só foi expedido em novembro de 2016, mas não chegou a ser cumprido.

Somente agora, após a atuação do Gaeco, em apoio à Promotoria Criminal de Colíder, o réu foi finalmente preso e levado para a unidade prisional em Santo Antonio de Leverger.

 

FONTE: Assessoria

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE