PUBLICIDADE
SÃO PAULO

Fiscais flagram trabalho escravo em grifes Animale e A.Brand

Imigrantes bolivianos trabalhavam mais de 12 horas por dia e dormiam em três oficinas ligadas às marcas na capital paulista

19/12/2017 16h09 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Fiscais flagram trabalho escravo em grifes Animale e A.Brand

Reprodução

Fiscais do trabalho encontraram imigrantes bolivianos em condições de trabalho análogo à escravidão em três oficinas de costura na capital paulista. Eles faziam jornadas de mais de 12 horas por dia costurando roupas para as grifes de luxo Animale e A.Brand, ambas do grupo Soma.

Em vez de um salário, os bolivianos recebiam em média R$ 5 por peça produzida. Algumas delas depois chegavam a ser vendidas nas lojas por até R$ 698, segundo os fiscais.

Outras peças levavam uma manhã inteira para ficarem prontas, contou um dos trabalhadores à equipe da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo e auditores da Receita Federal, que fez a investigação em setembro.

Ainda segundo os fiscais, as máquinas de costura ficavam ao lado das camas dos trabalhadores, no mesmo local onde dormiam, e crianças brincavam entre as máquinas e pilhas de tecidos.

Com as duas grifes, subiu para 37 o número de marcas de roupa no Brasil envolvidas na exploração de mão de obra análoga à escravidão nos últimos oito anos, de acordo com a ONG Repórter Brasil.

A entidade mantém uma base de dados no aplicativo Moda Livre que mostra como 119 empresas de roupa combatem ou deixam de combater esse tipo de exploração na indústria da moda.

Procuradas pelo G1, a Animale e A.Brand esclareceram que não compactuam com a utilização de mão de obra irregular em suas cadeias de produção. "Todos os seus fornecedores assinam contratos em que se comprometem a cumprir a legislação trabalhista vigente e a não realizar a contratação de trabalhadores nessas condições", afirmaram em comunicado.

Segundo as duas marcas, os valores pagos aos fornecedores diretos são "exponencialmente superiores" aos R$ 5 relatados nos meios de comunicação.

"As marcas lamentam que tenham sido associadas aos tristes fatos, pelo descumprimento da legislação trabalhista por parte de um fornecedor e reiteram que não compactuam com a utilização de mão de obra irregular. Ressaltam ainda, que em hipótese alguma, tiveram contato com os referidos trabalhadores via whatsapp ou qualquer outro meio de comunicação bem como sequer sabiam da existência das referidas oficinas", dizem em nota.

Ainda segundo a Animale e A.Brand, as marcas prestaram "significativa ajuda humanitária" aos profissionais encontrados. "As marcas já tomaram as medidas necessárias para tornar ainda mais rigorosa a fiscalização de sua cadeia produtiva e, por fim, informam que estão colaborando com as autoridades responsáveis pelas investigações.", informaram.

Perfil das marcas
A Animale é uma grife de moda focada no público feminino e no mercado de luxo. A marca vende cerca de 800 mil peças por ano em suas 70 lojas físicas e em 574 pontos de venda de 19 estados do país. Seu faturamento anual é de cerca de R$ 550 milhões.

A A.Brand possui 10 lojas em seis estados e também é focada em moda feminina. Segundo o Moda Livre, cinco bolivianos foram resgatados em setembro de uma oficina que produzia roupas para a marca.

FONTE: G1

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE