PUBLICIDADE
MAIS ANTIGA DO MUNDO

Juiz de Mato Grosso percorre mais de 90 quilômetros da maior corrida do mundo

Angelo Judai atua há 14 anos e há três anos e meio responde pela Vara Especializada dos Juizados Especiais de Tangará

Da Redação

Equipe

23/07/2018 10h34 | Atualizada em 23/07/2018 10h41

O magistrado mato-grossense Angelo Judai Junior, de 44 anos, percorreu os mais de 90 quilômetros da 93ª edição da Comrades Marathon, disputada recentemente na África do Sul. O objetivo, disse ele, é dar um exemplo positivo para seu filho e a sociedade em geral, para além da auto-superação.

Angelo Judai atua há 14 anos em Mato Grosso e há três anos e meio responde pela Vara Especializada dos Juizados Especiais da Comarca de Tangará da Serra (a 242 km de Cuiabá). Ele teve como desafio correr um trajeto de 90,184 quilômetros pela épica jornada “down run” – com mais descidas.

A Comrades Marathon é cercada de tradição e história. Fundada em 1921, é considerada a mais antiga do mundo, além da maior em número de participantes.

O “juiz-atleta” foi o 7.070º participante a cruzar a linha de chegada entre os 21.500 corredores. Para tal, fez-se músculos de aço no percurso que teve início na Prefeitura de Pietermaritzburg até a linha de chegada no Estádio de Durban, na região litorânea sul-africana. Isto em um tempo de 10 horas, 23 minutos e 28 segundos. Em 2018, apenas 19.062 participantes concluíram a prova dentro do prazo limite, de 12 horas, que concede direito à medalha.

“Desde criança sou esportista – jogava futebol, basquete, além de outros esportes. Até que, há cinco anos, apaixonei-me pela corrida. A partir daí, já tinha como meta participar de, pelo menos, uma ultramaratona. E a Comrades Marathon foi a prova escolhida por ser a mais tradicional nesse segmento. Nunca fui pelo pódio. Fui por superação pessoal e também pelo meu filho João Pedro”, pondera.

Angelo complementa que acredita que o esporte é uma ferramenta muito poderosa de integração social. “Meu objetivo sempre foi – e sempre será – incentivar o meu filho e mostrar para ele, bem como para todos os jovens, que não existe nenhum desafio que não se possa superar. Por pior que seja a situação que a gente enfrente, não só no esporte, mas também na vida, não há nada impossível de se superar. Só precisamos nos preparar adequadamente, com determinação e disciplina, e ter coragem para enfrentar os desafios. Cresci com o esporte e pude perceber que muitos amigos e conhecidos deixaram de se envolver em coisas erradas em razão da prática esportiva. Muitos se profissionalizaram na área e com sucesso”, comenta.

Treinos e magistratura

Para disputar a prova na África do Sul, o “juiz-atleta” passou por um período intenso de treinos, inclusive correu na Maratona Internacional de São Paulo [de 43 km] para se qualificar para a Comrades Marathon. Isto, ao conciliar todas as atividades esportivas com as longas jornadas da magistratura.

“Como juiz, trabalho de 8-9 horas por dia, no mínimo – às vezes até 10h ou mais. Por isso, não é fácil conciliar trabalho, vida pessoal e treinos. Mas, procurei encontrar o equilíbrio entre achar um tempinho para treinar e não comprometer o trabalho. Para a Comrades, me preparei com quase nove meses de antecedência. Treinava de 3-4 vezes por semana, sempre de noite ou de madrugada, às vezes acordando lá pelas 3h. Alternei treinos mais curtos (12-15 km), durante a semana, com mais longos (30-40 km até 60 km), nos finais de semana. Foi bem puxado, quase 2.000 km rodados nesse período. Sempre orientado por uma profissional da área e com acompanhamento médico, tudo saiu bem”, conta.

Em prol de participar da Comrades Marathon, Angelo tirou os dias de folgas compensatórias que tinha no Tribunal e preparou um itinerário expresso. “Viajei numa quinta-feira, corri no domingo e retornei ao país na terça – cheguei na Comarca mais especificamente às 4h da quarta-feira, data em que voltei ao trabalho normalmente. Além disso, tenho em mente que a minha saúde é perfeita por conta da prática esportiva – que, por sua vez, me dá qualidade de vida, assim como disposição de sobra para trabalhar e continuar os treinos. Sempre incentivo quem eu posso à prática esportiva, porque ela só nos traz benefícios”, finaliza.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE