PUBLICIDADE

Educação - Página 130

Cota não garante aluno de escola pública em vestibular

Cota não garante aluno de escola pública em vestibular

A falta de aulas de geografia durante seu último ano no ensino médio fez com que Monique dos Santos Pires, 21, desistisse do vestibular para as universidades públicas. "Não tinha como competir com aluno de escola privada", diz ela, que trabalha e estuda administração na FMU, faculdade particular.

Faculdade particular suspende aulas e universitários reclamam em Cuiabá
ENSINO SUPERIOR

Faculdade particular suspende aulas e universitários reclamam em Cuiabá

    Alunos das Faculdades Integradas de Cuiabá (FIC) denunciam que a instituição paralisou os cursos sem aviso prévio. Os universitários, que registraram boletim de ocorrência, alegam que a faculdade fechou as portas sem avisar os alunos e até os professores.   No entanto, o diretor das FIC, Acomerques Antônio, informou que a instituição não fechou as portas. Segundo ele, o prédio em que funcionava a faculdade era alugado e teve que ser desocupado por questões judiciais. O diretor disse também que emitiu comunicado aos alunos e professores e que as aulas serão retomadas em duas outras instituições de ensino.   Uma das universitárias, Rosenil de Oliveira, está no terceiro semestre do curso de secretariado executivo. Ela alega que está sem aula desde o dia 12 de março. ''Apenas existiu um bilhete que as aulas seriam suspensas e retornariam em um colégio particular. Fomos lá e a coordenadora disse que nada foi firmado com a faculdade”, declarou.   Outro aluno é Cristian Eduardo Oliveira, que está no último ano do curso de sistema da informação. O jovem tem medo de não conseguir o diploma. ''Era pra estar formando na metade deste ano. Só que agora não sei quando vou formar”, lamentou.   Os universitários dizem que não foram comunicados por telefone ou e-mail sobre a suspensão das aulas. Além desse problema, os professores da instituição falam que não recebem salário desde o ano passado.   A superintendente do Procon-MT, Gisela Simona, afirma que os estudantes podem pedir o dinheiro de volta ou cobrar da direção da faculdade a garantia de conclusão do curso. "O consumidor tem o direito de exigir o cumprimento dessa oferta, ou seja, que a própria instituição seja obrigada a se reorganizar", disse.   Fonte: G1  

Professor é agredido por aluna em Sinop

  A direção da escola estadual Rosa dos Ventos, no bairro Jardim Imperial, registrou um boletim de ocorrência, ontem, apontando que um professor, 31 anos, foi agredido por uma aluna, 12 anos.

Aprosoja libera bolsas para alunos de mestrado e doutorado

  Estudantes de Mestrado e Doutorado da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) já podem se inscrever no programa Agrocientista, iniciativa do Fundo de Apoio à Cultura da Soja (Facs) em parceria com a Aprosoja-MT.