PUBLICIDADE
CULTURA

Cultura em Circuito tem Cerrado Musical, Gora e Sika e Coxiponés

Arte, música e cinema são as dicas do Cultura em Circuito esta semana

Da Redação

Equipe

30/06/2017 16h40 | Atualizada em 30/06/2017 16h42

SHOW CERRADO MUSICAL

Você não pode perder neste sábado 1 de julho um show com o sangue novo da musica popular mato-grossense. O show Cerrado Musical está de volta. Este projeto é um show beneficente que acontece em diferentes meses do ano, sempre revitalizando a diversidade musical em nosso Estado. A proposta é promover músicos, intérpretes, autores e grupos que não conhecemos ainda, com diferentes repertórios e estéticas novas. O show deste sábado pretende arrecadar fundos para a compra de um forno para a queimar peças de barro de artesãos de uma das comunidades quilombolas de Mata Cavalo. Será no Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros às 19h com realização da Sala da Mulher da Assembleia Legislativa. O ingresso é para comprar o forno e para ajudar a comunidade que tanto precisa, vale apenas 20 reais e 1 kg de alimentos. Os músicos são: João Reis, Tay Rodriguez, Stanya, Shaira e Hendson. Eu super indico, conheço esses artistas e sei que será um showzão para todas as idades, chame os amigos, leve a família e não perca esta edição de julho do CERRADO MUSICAL! INFO: (65) 3313 6878 e 3313 6879

VOCÊ É O QUE VOCÊ VÊ

Cada dia tenho mais certeza da importância da educação artística permanente, para crianças, adultos e todos da melhor idade. As galerias não são lugares que devem intimidar, essas instituições não são unicamente para aqueles treinados em arte, artistas ou para acadêmicos.  Infelizmente, em meio ao descaso para com a educação cultural com nossas artes, corremos o risco em perpetuar o mito de que a arte não é para as massas, muitas de nossas escolas veem a história da arte e a arte prática como secundárias a outros assuntos e criamos assim outra geração de pessoas incapazes de pensar de forma criativa. Isso é um sério problema. Num mundo em que a religião lava cérebros de multidões fanáticas, o desespero pelo poder e a corrupção assolam fazendo com que famílias acordem apenas para trabalhar (muitos para roubar) e gastar sem necessariamente questionarem suas escalas de valores, é fundamental investir em criatividade fora do que vemos na TV, nos jornais e na liderança consumista que nos guia. Quando encorajamos crianças e jovens com suas ciências, matemáticas e semelhantes estamos fomentando a parte cerebral de pensamento lógico e analítico, isso aqui, no Celeiro do Brasil, é e será por muitos anos algo fundamental. Mas não basta.  Muitas escolas em Mato Grosso ainda seguem orientadas para se concentrar apenas nessas habilidades, falta equilíbrio, oficinas de artes devem receber tempo idêntico no currículo para incentivar a aprendizagem criativa. Uma das maneiras pelas quais os pais podem ajudar a solucionar este desequilíbrio é expondo seus filhos à arte das galerias e mostras. Olhar para a arte pode ajudar a desenvolver a capacidade de uma criança interpretar as coisas que observa e ajudá-la a aprender que nem sempre há uma resposta para um problema. Uma vez que uma criança percebe isso, ela ganha confiança para lidar com nossa existência, com a capacidade de estar só, de ganhar e saber perder, de buscar outras geografias e se permitir olhar para a arte e sentir, não necessariamente entender. Em qualquer idade precisamos nos encorajar a pensar sobre nossas respostas emocionais e expressar nossos sentimentos de maneira individual. A resposta a um desenho pode variar de um colega ou membro da família para outro e isso pode ajudar em nosso desenvolvimento social. Assim aprendemos a aceitar que nem todos têm a mesma opinião diante de formas e conteúdos. É assim que fortalecemos a capacidade de empatia, de perceber e aceitar a realidade construída por outros ângulos. Além disso, não podemos esquecer que uma obra de arte pode criar conversas sobre nossos biomas, nossos rios, nossa violência local, nossa realidade urbana, nossos medos, preconceitos, arquitetura e outros temas.  As obras de arte, além de estimular diálogos sobre culturas e técnicas, podem também refrescar conceitos imagéticos, gostos e refrescar estéticas. Quantas vezes nos deparamos com um profissional que foi brilhante em seu tempo e que de alguma maneira se tornou cristalizado, ultrapassado e com a cara de ‘velho’?  Ver arte, ter o hábito de frequentar galerias é sempre um rever a nós mesmos, nossas criações coletivas, as estéticas e a capacidade humana de recombinar eternamente. A gestão cultural de uma região deve permitir, fomentar e fortalecer a educação artística na busca de pessoas curiosas. Leve seus pais, seus filhos, crie o hábito de investigar a criatividade de nossos artistas em Mato Grosso. Tenha em sua casa obras de arte, fomente a programação artística com toda a sua família para que eles possam se fortalecer como indivíduos únicos, capazes de pensar por conta própria, de criticar e inventar soluções para seus problemas. A criatividade é uma qualidade inerente a todos os seres humanos, não atrofie jamais em seus programas de lazer com programações idiotas, sempre que puder, alimente. 
Acima registros de obras e observadores diversos na vernissage da exposição dos artistas GORA & SIKA na Casa do Parque, uma exposição de desenhos com entrada franca que você, sua família e todos os seus amigos merecem conhecer. 
INFO: (65) 3365 4789 e 98116 8083

COXIPONÉS: 40 ANOS DE CINECLUBISMO


 E vem aí esta exposição com fotografias, cartazes, equipamentos e filmes que integram a história do Cineclube da UFMT. A mostra abre  na quarta 5 de julho às 19h e ficará aberta à visitação do dia seguinte até 18 de agosto, de segunda a sexta-feira das 7h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30 no Museu de Arte e de Cultura Popular, MACP. Fundado em 21 de janeiro de 1977 pelo reitor Gabriel Novis Neves, e tendo o jornalista Gabriel Papazian e a professora Therezinha Arruda na primeira diretoria, o Cineclube Coxiponés  promove a reflexão crítica e fruição estética através de filmes. A partir das gestões dos servidores José Amílcar Bertolini e Moacir Francisco Barros, o Coxiponés passou a realizar um dos mais importantes festivais de audiovisual universitário do Brasil, a Maual, que há 16 anos é uma das principais janelas de exibição para realizadores universitários e independentes.  INFO: (65) 3615 8377 e pelo e-mail cinecoxipones@gmail.com. 

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE