PUBLICIDADE

Economia - Página 668

Governo eleva porcentagem de álcool na gasolina e "zera" tributo

  Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta terça-feira, em Brasília, medidas para estimular a produção de cana-de-açúcar no País. Já acordada no início do ano, o aumento da mistura de etanol na gasolina vai começar a valer em 1º de maio.

IMPÉRIO X

Plano de socorro a Eike tem gigante da Rússia, malaios e Petrobras

O socorro ao combalido grupo X, como é conhecido o império de empresas de Eike Batista que levam por superstição a letra nos seus nomes, começará pela petroleira OGX. O plano envolve um sócio russo, a venda de ativos e parcerias com a Petrobras em novos campos de petróleo. Segundo a Folha apurou, a empresa negocia de forma avançada com a petroleira russa Lukoil, que pretende atrair como parceira, e com a malaia Petronas, para quem deseja passar parte de campo de petróleo para fazer caixa. Os executivos de Eike já iniciaram também conversas com a Petrobras para firmar parcerias em campos da estatal, nos quais assumiria o posto de operadora. Iniciar o resgate do grupo pela OGX é estratégico para Eike, que está sendo assessorado pelo BTG. De suas seis empresas com ações negociadas na Bolsa, foi dela o maior tombo --queda de 90% no valor dos papéis em um ano. A crise de confiança contaminou várias operações do grupo. Ainda assim, a OGX representa quase um terço do império X, avaliado em pouco mais de R$ 14 bilhões. O centro da estratégia está na Lukoil. A ideia é atrair a companhia, quarta maior petroleira privada do mundo, como sócia da OGX, cedendo participação de cerca de 40% no capital total da brasileira. A fatia, segundo executivos próximos à operação, é suficiente para que os russos possam consolidar os números da OGX em seu balanço sem que Eike perca o posto de controlador de sua petroleira, considerada a "joia da coroa" do seu grupo. A Lukoil esquadrinha os números da OGX desde o início do ano. Para isso, foi montado um "data room" --banco de dados com informações estratégicas da companhia. A avaliação inicial foi positiva e, há cerca de um mês, os russos contrataram o escritório brasileiro Pinheiro Guimarães para iniciar a chamada "due diligence", uma averiguação detalhada dos ativos e informações da companhia antes da aquisição. No momento, os advogados estão debruçados sobre detalhes como obrigações trabalhistas e de conteúdo local. LEILÃO À VISTA A expectativa é que o negócio possa ser fechado no início de maio, a tempo da 11ª rodada de licitações para áreas de exploração de petróleo, programada para os dias 14 e 15 e que oferecerá 289 blocos. Para a OGX, a sociedade traria musculatura --e capital-- para uma oferta mais agressiva na disputa. A empresa precisa de novas áreas após campanha exploratória com resultado abaixo do "vendido" aos investidores. Já os russos ganhariam um valioso atalho ao mercado brasileiro, ao ter acesso a uma empresa com corpo técnico já formado e considerado de boa qualidade. Paralelamente, os executivos de Eike negociam a venda de 40% do campo de petróleo Tubarão Martelo para a Petronas, por US$ 1 bilhão. Segundo apurou a Folha, as negociações estão em ritmo acelerado. O diretor jurídico da OGX, José Roberto Faveret, foi a Kuala Lumpur, na sede da Petronas, negociar os termos finais da operação. A venda do campo traria alívio imediato à OGX, dispensando Eike de capitalizar a empresa --em outubro, o empresário se comprometeu a injetar US$ 1 bilhão do próprio bolso na empresa caso o plano de negócios estivesse comprometido por falta de caixa. Em outra frente, a OGX movimenta-se para fechar parcerias com a Petrobras em campos já em operação. As conversas já foram iniciadas, segundo executivos do grupo, que falam sob reserva. A intenção da OGX é entrar como sócia da estatal em alguns campos, assumindo o papel de operadora. Procurada, a petroleira de Eike se limitou a dizer, por meio de nota, que "as informações não procedem". Fonte: Folha  

Visitantes vão gastar R$ 14,3 mi na capital
EVENTOS

Visitantes vão gastar R$ 14,3 mi na capital

Eventos de nego?cios e te?cnico-cienti?ficos programados para serem realizados em Cuiaba? nos pro?ximos 8 meses deste ano devem injetar cerca de R$ 14,340 milho?es na economia local. Entre maio e dezembro, a previsa?o e? que 9,560 mil visitantes passem pela cidade, onde permanecem ate? 4 dias e gastam em me?dia R$ 1,5 mil com hospedagem e alimentac?a?o. Estimativa e? da Fundac?a?o Pantanal Convention And Visitors Bureau. No ano passado, esses eventos atrai?ram 26,550 mil pessoas a? Capital, sendo que apenas 2 deles reuniram um pu?blico de 9 mil visitantes. Superintendente executivo do Convention, Omar Lins Canavarros, comenta que o número de eventos captados costuma variar de um ano para outro, considerando que alguns são realizados a cada biênio, mas garante que o crescimento econômico de Mato Grosso desperta o interesse dos organizadores e que a escolha de Cuiabá como sede dos jogos da Copa de 2014 colocou o Estado num patamar mais elevado na escala de evidência. Ele nega, porém, que as dificuldades de mobilidade urbana com as obras preparatórias para o Mundial esportivo estejam afetando esse mercado. "Nós buscamos conciliar o tipo do evento com a nossa estrutura para recebê-lo". Para ele, ainda é preciso intensificar a divulgação dos atrativos turísticos do Estado tanto dentro quanto fora do país. "Mas isso depende de mais investimentos do setor público". Com essa massificação complementa, os visitantes permanecem mais tempo no Estado. "E isso favorece a economia da nossa região". Levantamento realizado pela Sebrae mostra que no até metade de abril foram recepcionados 90 eventos pelo Centro de Eventos do Pantanal. Diretora técnica do Sebrae, Eneida Maria de Oliveira, comenta que as perspectivas para 2013 "são ótimas" e que ainda há muitos projetos em processo de fechamento de contrato. "Com certeza iremos superar os números de 2012". No ano passado foram realizados 364 eventos, aos quais compareceram 300 mil participantes. Com uma média mensal de 30 eventos por mês, foram gerados 15,332 mil empregos diretos no período. Diretora do Sebrae explica que para garantir a captação dos eventos é realizado um trabalho conjunto com o Pantanal Convention and Visitors Bureau, que consiste na visita de técnicos a outros estados para atrair esses encontros para Mato Grosso. "A intenção é impactar positivamente a economia local e trazer conhecimento para nosso Estado". Nesse processo são recebidas diversas visitas técnicas para conhecer melhor o território estadual e as vertentes de sustentabilidade e acessibilidade. Ela sustenta que o setor de eventos é um mercado em expansão e que Mato Grosso passou a fazer parte da rota dos grandes eventos empresariais, técnico-científicos e de entretenimento, principalmente esportivos. "Mas é preciso enfrentar ainda alguns desafios para fortalecer mais esse segmento em nosso Estado, porque ele dinamiza 55 segmentos empresariais". Atuando com a organização de shows, o empresário Mário Zeferino concorda que esse mercado está em expansão, mas que os custos para o organizador de eventos ainda é alto. "Em Cuiabá temos poucas opções de locais para organização de shows e temos que montar palco, camarote e ainda tem os pagamentos ao Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição)". Ele reclama dos valores cobrados pelo órgão em Mato Grosso. "Não tem um critério, porque se eu realizar aqui um show idêntico ao realizado em Mato Grosso do Sul, por exemplo, vou pagar 50% a mais para o Ecad". Até setembro, ele irá promover na Capital 4 shows com artistas nacionais que devem reunir 25 mil pessoas. Em Mato Grosso, o Ecad arrecadou R$ 1,940 milhão no ano passado com a cobrança de direitos autorais pelas execuções públicas no segmento de shows e eventos. Montante representou crescimento de 17,3% sobre 2011, quando foi recolhido R$ 1,654 milhão. De acordo com a gerente do Ecad no Estado, Márcia Marques, esse incremento nos valores é resultado da capilaridade na atuação do Ecad, que expandiu o número de núcleos próprios e agências credenciadas. "A crescente adimplência dos promotores de shows, que respeitam o direito dos criadores das músicas e pagam os direitos relativos aos shows que organizam, também é fator preponderante". Ela acrescenta que há um contínuo processo de identificação e cadastramento de usuários de música, para que fiquem adimplentes com os pagamentos dos direitos autorais. Além da ampliação no número de colaboradores em campo, a entidade passou a utilizar um equipamento (Ecad.Tec Som) que permite gravar toda a programação musical dos estabelecimentos, após ser fixado nestes locais. "Com isso, se promove uma distribuição dos direitos de uma forma ainda mais fidedigna para os artistas". Em todo país, o desempenho da gestão coletiva musical apresentou, em 2012, um aumento de 14% na comparação com o ano anterior, tanto em relação ao valor distribuído quanto à quantidade de artistas beneficiados. Nos últimos 5 anos, a distribuição de direitos autorais cresceu 73%. Celebração de alguns acordos corroborou para um aumento médio de 50% na distribuição oriunda dos cinemas. Mudanças na regra de distribuição do segmento "músico acompanhante" culminaram no repasse acima da média dos anos anteriores, com 27% de aumento em relação a 2011. Por fim, os valores repassados aos titulares que tiveram suas obras executadas durante shows apresentaram aumento de 26% ante 2011. Isso é consequência do crescimento da arrecadação de vários shows realizados em 2012, especialmente de artistas internacionais. De acordo com pesquisa realizada pelo portal Filme B, responsável por mapear o mercado cinematográfico nacional e baseada num resumo do Database Brasil 2013, a capital mato-grossense foi a 10a cidade e a 4a capital brasileira em vendas de ingressos de cinema no ano passado, num ranking de 30. No intervalo de 12 meses, foram comercializados 1,468 milhão de bilhetes para as 16 salas de cinema existentes na Capital. Considerando a população de 561,329 mil pessoas, o número de ingressos per capita correspondeu a 2,62. Entre as cidades que integram a lista, Barueri (São Paulo), ocupou o topo da relação, com 4,33 entradas por habitante e um total de 1,063 milhão. No ranking das capitais, o 1o lugar em vendas de ingressos de cinema foi assumido por Vitória (Espírito Santo), com uma média de 2,91 bilhetes. Fonte: A Gazeta

Consumidores acima dos 40 anos são maioria entre inadimplentes

  Os consumidores com mais de 40 anos representam pouco mais de 55% do total de CPFs negativados, de acordo com o índice mensal de inadimplência verificado em março pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).

Aumento da Selic não prejudica investimentos, diz ministro

  O ministro interino da Fazenda, Nelson Barbosa, disse nesta quinta-feira que o aumento da Selic não vai prejudicar os investimentos no país. Segundo ele, a aceleração do crescimento também é compatível com o controle da inflação.

21 frigoríficos de Mato Grosso são acusados de abate ilegal

Vinte e um frigoríficos de Mato Grosso, os quais abateram irregularmente mais de 21 mil animais terão que ressarcir os cofres públicos em R$ 211 milhões, conforme determina da ação judicial proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), em função do descumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), para a regularização da cadeia produtiva da carne.