PUBLICIDADE

Economia - Página 656

OSX deve prorrogar empréstimo com a Caixa

OSX deve prorrogar empréstimo com a Caixa

O empréstimo de R$ 400 milhões da construtora naval OSX com a Caixa Econômica Federal tende a ser renovado, disse uma fonte com conhecimento do assunto. A Caixa não recebeu ainda a confirmação da garantia, mas, segundo a fonte, as negociações evoluíram durante o fim de semana, o que indica a possibilidade de extensão da data de vencimento do empréstimo.

Arrecadação federal chega a R$ 84 bilhões em setembro e bate recorde para o mês

Arrecadação federal chega a R$ 84 bilhões em setembro e bate recorde para o mês

O governo federal arrecadou R$ 84,212 bilhões em impostos e contribuições em setembro, resultado recorde para o período. Na comparação com igual mês do ano passado, houve crescimento real (descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA) de 1,71%. Os dados foram divulgados hoje (22) pela Receita Federal.

Índice de Confiança da Indústria cai 0,9% na prévia de outubro

Índice de Confiança da Indústria cai 0,9% na prévia de outubro

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) teve uma queda de 0,9% na prévia de outubro, em relação ao resultado final de setembro. Se a redução se confirmar no resultado final do mês, será a quinta queda consecutiva do indicador, que chegará ao menor patamar desde julho de 2009.

Balança comercial volta a ficar negativa no acumulado do ano

Depois de duas semanas de resultados positivos em outubro, a balança comercial (diferença entre exportações e importações) voltou a ficar no vermelho. Segundo números divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o saldo teve déficit de US$ 1,569 bilhão na semana passada, resultado de exportações de US$ 4,002 bilhões e importações de US$ 5,571 bilhões. Com o resultado, a balança voltou a ficar negativa em 2013, com déficit acumulado de US$ 605 milhões.

Anac autoriza integração de companhias aéreas

Anac autoriza integração de companhias aéreas

 A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concedeu autorização prévia para a integração entre as companhias aéreas Azul e Trip. Com a decisão, publicada hoje (21) no Diário Oficial da União, as empresas poderão compartilhar aeronaves, aeronautas, aeroviários e outros funcionários, “observadas as necessidades de treinamento em procedimento e práticas”.

Mercado financeiro eleva projeção para inflação e taxa Selic

Mercado financeiro eleva projeção para inflação e taxa Selic

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) esperam por inflação mais alta este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 5,81% para 5,83%. Para 2014, houve leve redução de 5,95% para 5,94%.

BNDES estima crescimento de 57% para investimentos em logística

BNDES estima crescimento de 57% para investimentos em logística

Os investimentos em logística no Brasil devem crescer 57% nos próximos quatro anos, na comparação com o quadriênio 2009-2012, mostra a pesquisa Perspectivas do Investimento 2014-2017, divulgada nesta segunda-feira (21) pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Dos investimentos previstos em infraestrutura - R$ 509,7 bilhões -, a área de logística deve receber R$ 163,5 bilhões no período - 9,4% ao ano.

Brasil empaca em ranking global de incentivo a negócios

Brasil empaca em ranking global de incentivo a negócios

O Brasil apresentou, nos últimos oito anos, um avanço pífio em direção ao que o Banco Mundial classifica como a fronteira de excelência para a realização de negócios.   Evoluiu apenas 0,5 ponto percentual, para 47,5 (em uma escala de 0 a 100) em direção ao patamar regulatório e institucional considerado o melhor existente, segundo indicadores que usam dados de 174 nações, desde 2005.   O país patina entre as 20 nações com menor avanço nessa medida, chamada de "distância até a fronteira". Ela passou a ser calculada pelo Banco Mundial como complemento ao ranking do relatório "Doing Business".   Os países que mais têm se destacado são chamados de "top reformers" (principais reformadores). A Geórgia, que teve o maior progresso de 2005 a 2012, evoluiu 31,5 pontos percentuais; a Colômbia, melhor entre os latino-americanos, avançou 15,3 pontos.   O desempenho dos "top reformers" é creditado a reformas para tornar o ambiente de negócios mais rápido, prático e previsível. Pesquisas recentes têm medido o impacto positivo dessas mudanças.   Segundo o Banco Mundial, um avanço de dez pontos percentuais em direção à "fronteira" leva ao registro de uma nova empresa para cada 1.000 pessoas em idade ativa por ano. Melhoras em educação e infraestrutura também são fundamentais.   Editoria de Arte/Folhapress   O papel das reformas como chaves para destravar as barreiras ao crescimento será tratado pela Folha em uma série de reportagens.   O forte aumento da renda per capita da Coreia é, por exemplo, creditado em grande parte a um salto educacional. No início da década de 50, o PIB per capita da Coreia era 12% menor do que o do Brasil. Em 2010, já era aproximadamente o triplo (as medidas são ponderadas pelo poder de compra).   A desaceleração da economia do Brasil nos últimos anos é relacionada à falta de reformas para reduzir a burocracia e melhorar a educação e a infraestrutura.   O Banco Mundial registrou progressos recentes feitos pelo país, como a maior sincronização eletrônica entre as autoridades tributárias federais e estaduais e a criação do cadastro de crédito positivo. Mas outras nações têm avançado em ritmo mais rápido.   No best-seller "Por que as Nações Fracassam", lançado em 2012, os economistas Daron Acemoglu e James Robinson mostram o papel crucial, na prosperidade das nações, de instituições que reforçam direitos de propriedade e incentivam investimentos em tecnologias e talentos.   Folha Economia  

Monitoramento de pragas na lavoura diminui custos em Mato Grosso

Monitoramento de pragas na lavoura diminui custos em Mato Grosso

Com a ameaça de novas pragas, muitos agricultores têm aumentado o número de aplicações de inseticidas nas lavouras de soja e milho. Na maioria das vezes, a aplicação é feita sem que haja real necessidade, o que resulta na elevação do custo da produção e em maiores danos ambientais.   Um trabalho desenvolvido há dois anos pela Embrapa Agrossilvipastoril, no município de Sorriso (MT), entretanto, vem mostrando que o monitoramento de pragas ajuda a reduzir a quantidade de aplicações e consequentemente o custo final para o produtor.   O trabalho de validação de tecnologia é desenvolvido por um grupo de pesquisadores em uma área de 50 hectares, em lavoura comercial, na Fazenda Leonel, do produtor Junior Ferla. Neste processo, a equipe da fazenda faz o monitoramento constante da incidência de pragas. Em metade da área é feito o manejo convencional, da mesma forma como é feito no restante da propriedade. Na outra metade as aplicações são recomendadas pelos pesquisadores de acordo com as espécies e a quantidade de indivíduos encontrados nos levantamentos, adotando como referência o número de insetos ou nível de dano.   Segundo o pesquisador da área de entomologia da Embrapa Agrossilvipastoril, Rafael Pitta, na safra 2011/2012 a fazenda fez quatro aplicações de inseticida na lavoura de soja, enquanto na área monitorada foi feita apenas uma. Na safrinha de milho, a fazenda fez duas aplicações, o dobro da necessária na área monitorada. Já na safra de soja 2012/2013, mesmo com a incidência da Helicoverpa, foram necessárias somente duas aplicações na área manejada segundo as recomendações dos pesquisadores, enquanto no restante da propriedade foram quatro.   “Ferla é um produtor que faz pouca aplicação. A média da região é em torno de nove aplicações, enquanto ele faz cinco a seis. Mesmo assim foi possível reduzir a quantidade de aplicações de inseticidas”, afirma Rafael Pitta.   Mesmo com o menor número de aplicações de inseticidas, a produtividade da área de manejo foi a mesma obtida na área com o manejo convencional da propriedade.   “Quando fazemos o manejo integrado não visamos o aumento da produtividade e sim a redução de custo de produção. O inseticida hoje já representa o segundo maior custo na cultura da soja. Assim, com o manejo, o produtor ganha na relação custo benefício”, explica Rafael Pitta.   Segundo o pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril, o monitoramento de pragas ainda evita a prática do controle preventivo, que resulta em desperdício de recursos por parte do produtor.   “Os produtos em geral  apresentam um efeito residual de dez a quinze dias. Se você aplicou e a infestação ocorrer cinco dias depois, você só terá no máximo dez dias de resíduo. Então este é um equívoco grande, pois os produtores não monitoram. Eles tentam economizar tempo e acabam subindo o custo e reduzindo a eficiência de controle”, alerta. Para o produtor Junior Ferla, o trabalho tem servido como aprendizado e serve de referência para o manejo feito no restante da propriedade.   Este trabalho vem mudando o manejo e a forma de pensar. Tira aquele pensamento de que fazer manejo de pragas é receita de bolo. Isso muda a cada ano, devido às condições climáticas e à maior ou menor incidência de determinada praga”, diz Ferla, que já passou a adotar o monitoramento em cerca de 60% de suas lavouras.   Segundo Ferla, além de sentir o impacto no bolso, com a redução dos custos de produção, o manejo de pragas também passa maior segurança para o produtor, uma vez que ele conhece melhor as pragas, acompanha mais de perto o que está acontecendo na lavoura e tem a certeza de fazer a aplicação certa, no momento correto, de modo a surtir efeito.   Impactos ambientais   A diminuição da quantidade de aplicações de inseticidas também contribui para a redução dos impactos ambientais. Um dos efeitos imediatos é o aumento das populações dos inimigos naturais das principais pragas que atacam a lavoura.   Como o controle químico das pragas é feito somente quando a incidência atinge níveis altos, com potenciais de danos econômicos, alguns indivíduos permanecem na lavoura e servem como alimento para estes inimigos naturais, que acabam fazendo o controle biológico natural. Assim viabiliza-se uma técnica de controle alternativo e gratuito.   Além disso, quando necessário o controle químico, ele é feito com produtos específicos para a praga que se deseja combater.   Manejo sanitário   O trabalho desenvolvido pela equipe de pesquisadores da Embrapa na Fazenda Leonel também monitora a incidência de doenças e de plantas daninhas. Na cultura da soja, por exemplo, foi possível economizar duas aplicações de fungicida na safra 2011/2012 e uma na safra 2012/2013. A safra atual será a última com acompanhamento nesta propriedade. Ao fim do trabalho, será realizado um dia de campo para apresentação dos resultados.   Assessoria