PUBLICIDADE

Economia - Página 482

Queda de preços em habitação e transportes aliviam pressão inflacionária em SP

Queda de preços em habitação e transportes aliviam pressão inflacionária em SP

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, na cidade de São Paulo encerrou maio em alta de 0,25%, menos da metade do registrado em abril (0,53%). Dos sete grupos pesquisados, dois apresentaram quedas: habitação (de 0,04% para -0,24%) e transportes (de 0,16% para -0,04%).

Pré-sal respondeu por cerca de 22% da produção de maio, diz Petrobras

Pré-sal respondeu por cerca de 22% da produção de maio, diz Petrobras

A presidente da Petrobras, Graça Foster, disse que "dados preliminares antes do fechamento" apontam que o pré-sal respondeu por cerca de 22% da produção da Petrobras em maio. A informação foi divulgada em IV Seminário sobre Matriz e Segurança de Energética Brasileira, na Fundação Getúlio Vargas, na Zona Sul do Rio, na manhã desta segunda-feira (2).

Inflação medida pelo IPC-S atinge 6,57% em um ano

Inflação medida pelo IPC-S atinge 6,57% em um ano

O Índice de preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) encerrou maio em alta de 0,52%, com recuo de  0,17 ponto percentual sobre a terceira prévia do mês. Desde janeiro, a taxa já subiu 3,85% e, nos últimos 12 meses, acumula alta de  6,57%, próximo do teto da meta prevista para a inflação oficial no país.

Veja quatro estratégias para aumentar produtividade no Brasil

Veja quatro estratégias para aumentar produtividade no Brasil

Nos anos 80, o Brasil e a Coreia do Sul tinham índices de produtividade semelhantes. Hoje, o que um coreano produz em um dia, um brasileiro produz em três, segundo dados da entidade americana de pesquisas Conference Board.O Brasil e outros países da América Latina precisam olhar urgentemente para experiências de países de fora da região se quiserem impulsionar seus índices de produtividade', disse à BBC Carmen Pagés, especialista em mercado de trabalho do Banco Inter-Americano de Desenvolvimento (BID).

Mato-grossenses devem receber bem os turistas da Copa

Mato-grossenses devem receber bem os turistas da Copa

.autor { font-size: 12px; border: 1px solid #D1D1D1; border-radius: 5px; padding: 3px; width: 170px; background-color: #ECECEC; }  Diego Frederici - Da Redação   A Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil entre junho e julho, criou expectativas não apenas nas doze cidades sede, mas também em municípios do entorno desses locais, que podem se beneficiar do aumento do turismo e de outros serviços. De acordo com estudo realizado pela Ernst & Young em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o evento pode gerar até R$ 142 bilhões para a economia, gerando 3,6 milhões de empregos. Por isso, a população deve enxergar oportunidade, a despeito dos indícios de corrupção.

Cuiabá sedia encontro de Futuros Produtores do Brasil neste sábado

Cuiabá sedia encontro de Futuros Produtores do Brasil neste sábado

Da Redação   Começa às 8h deste sábado (31) a segunda turma do projeto Futuros Produtores do Brasil no auditório da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), em Cuiabá. O grupo é formado por 26 jovens que participaram da primeira edição do projeto no ano passado.

Banco do Brasil inaugura 1ª agência na China

Banco do Brasil inaugura 1ª agência na China

O Banco do Brasil anunciou que inaugurou nesta sexta-feria (30) a primeira a sua 1ª agência na China. Segundo o BB, trata-se da da primeira agência de um banco latino-americano a obter licença para atuar na China.

PIB tende a piorar nos próximos meses, avalia economista da FGV

PIB tende a piorar nos próximos meses, avalia economista da FGV

O conjunto dos últimos trimestres, mais o resultado divulgado hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o  Produto Interno Bruto (PIB) dos três primeiros meses deste ano, sinalizam “uma franca desaceleração da economia”, disse hoje (30) à Agência Brasil o economista Vinícius Botelho, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas. 

Superávit primário de R$ 16 bi para abril é o maior desde 2011

Superávit primário de R$ 16 bi para abril é o maior desde 2011

O superávit primário do setor público consolidado (governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais) de R$ 16,896 bilhões, em abril, foi o maior para o período desde 2011. Esse resultado foi divulgado hoje (30) pelo Banco Central (BC).