PUBLICIDADE
PREJUÍZOS DA GREVE

Após greve, economistas estimam forte desaceleração da inflação em julho

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, explica que julho já é, tradicionalmente, 1 mês de inflação baixa

06/08/2018 11h09 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Após greve, economistas estimam forte desaceleração da inflação em julho

Reprodução/Internet

Após a greve dos caminhoneiros pressionar os preços e fazer a inflação disparar 1,26% em junho, economistas esperam forte desaceleração do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em julho.

Analistas de mercado consultados pelo Poder360 projetam que a inflação oficial deve ficar em cerca de 0,27% no mês. A informação será divulgada nesta 4ª feira (8.ago.2018) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, explica que julho já é, tradicionalmente, 1 mês de inflação baixa. A desaceleração mensal, entretanto, será acentuada pelo movimento de normalização dos preços –ou seja, retorno dos valores dos produtos a patamares anteriores ao da greve. O economista projeta IPCA em 0,32% no mês.

“Em junho, a alta da inflação foi bastante expressiva. Geralmente fica na casa dos 0,10% ou 0,20% no mês e chegou a 1,26%. Com o fim da paralisação e normalização do abastecimento, haverá devolução do choque de preços”, afirmou.

Para os economistas, os alimentos e os combustíveis serão os principais responsáveis por puxar o IPCA para baixo. “Foram itens que subiram muito após a greve. Agora, a gente deve observar deflação nesses grupos”, afirmou Leonardo Costa, economista da Rosenberg Associados, que trabalha com a estimativa de 0,24% em julho.

Os preços do grupo Alimentação e Bebidas avançaram 2,03% em junho. Nos Transportes, a alta foi de 1,58%, puxada principalmente pelo aumento de 5% na gasolina e de 4,22% no etanol.

Em boletim macroeconômico (íntegra), o Ibre/FGV avalia que tubérculos, raízes e legumes ajudarão a segurar a inflação de julho. A instituição projeta que a queda pode chegar a 32% nesses itens. As estimativas indicam ainda recuo de até 10% nas frutas, de 1% nas carnes e de 5,6% na gasolina.

“As taxas de variação de tarifa elétrica e etanol também devem desacelerar, contribuindo para o recuo”, diz o documento.

Para agosto, algumas instituições já enxergam possibilidade de deflação no índice geral. Se isso se concretizar, será o primeiro resultado negativo para o mês desde 1998, quando o IPCA recuou 0,51%.

Para o ano

A pressão sobre os preços em junho acabou impactando também a inflação do ano. Em 12 meses até junho, o IPCA acumulou 4,39%. Até maio, atingia apenas 2,86%.

Mesmo com a aceleração causada pela paralisação, os economistas projetam que a inflação terminará o ano em cerca de 4,1%, ou seja, ainda abaixo do centro da meta do governo para 2018, de 4,5% com tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo (3%) ou para cima (6%).

Para os especialistas, os efeitos da greve foram pontuais e não devem persistir ao longo do ano. “Ainda estamos observando os efeitos inerciais que a inflação presente pode ter sobre a inflação futura, mas acredito que o que aconteceu em junho foi extremamente conjuntural e não muda a trajetória de política monetária”, afirma Agostini.

Arnaldo Curvello, economista da Ativa, acredita que o efeito da greve dos caminhoneiros já se dissipou e que o IPCA fechará 2018 em 4,1%. “Tudo indica que voltamos a 1 patamar de inflação controlada”, afirmou.

FONTE: Mariana Ribeiro - Poder360

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE