PUBLICIDADE
NOVAS CONQUISTAS

África do Sul, uma nova opção para intercâmbio

Preços muito mais baratos e cenários deslumbrantes tornam cada vez mais atrativo o intercâmbio na África do Sul

Sandra Carvalho

Acesse o Blog

13/07/2017 08h09 | Atualizada em 13/07/2017 10h25 1 comentario

África do Sul, uma nova opção para intercâmbio

Reprodução

A África do Sul tem atraído cada vez mais pessoas interessadas em aprender a falar inglês e, de quebra, conhecer uma das paisagens mais exuberantes do planeta, que mistura os mistérios das montanhas e cordilheiras, vai do deserto à floresta e oferece safáris que proporcionam aventuras incríveis. Para completar, o custo é muito baixo se comparado a outros países.

Safyia Beatriz, de Mato Grosso para a África do Sul

Quem dá detalhes de como funciona o intercâmbio na África do Sul ao Circuito Mato Grosso é a jornalista Safyia Beatriz, que saiu de Cuiabá há cerca de quatro anos após casar-se com um sul-africano e já começa a ser referência em receber turistas brasileiros naquele país.

Tão logo chegou, Beatriz fez curso de guia de turismo e começou a trabalhar na área se dedicando especialmente a quem não sabe falar Inglês. Não demorou para começar a intermediar intercâmbios para brasileiros interessados em aprender o idioma, além, é claro, de conhecer as paisagens naturais, a cultura, culinária e outros atrativos que o país oferece. Hoje ela faz essa intermediação por meio do grupo no Facebook “Estudantes e Brasileiros residentes em Cape Town”. 

Fernanda Rodrigues Sousa, 24 anos, nasceu em Belém do Pará e já no final do curso de Engenharia Industrial na Universidade Federal do Pará (UFPA) – isso há três meses – decidiu que iria viajar para outro país a fim de aprender Inglês.

“Finalizei minhas atividades na faculdade, porém como só receberei o diploma em agosto vi a necessidade de fazer algo nesses dois meses. Eu sempre fui de aproveitar as oportunidades para agregar valor ao meu currículo, já que logo estarei em busca de emprego. Aí decidi fazer inglês, bastante solicitado no mercado de trabalho, e comecei a pesquisar os lugares mais baratos para fazer intercâmbio. Achei, inicialmente, três opções de lugares, mas como precisava ir para um lugar onde tem um custo de vida bem barato, achei a África do Sul e gostei. Primeiro pelo rand, cujo valor é quatro vezes menor que o do real, e não precisa de visto”.

Fernanda Rodrigues, 24 anos
Fernanda Rodrigues está encantada

Fernanda tinha apenas 45 dias para organizar todas as suas coisas. Providenciou o passaporte, se informou, entrou em grupos no Facebook em que há pessoas que moram na África do Sul e outras interessadas e em um deles encontrou Safyia Beatriz.

Os pais de Fernanda em princípio não concordaram. Achavam que ela iria correr perigo na África, não sabiam que se fala inglês por lá e pensavam que no país prevalecia apenas a pobreza extrema e poderia passar muita dificuldade. Porém, Fernanda foi explicando tudo a eles até que pesquisaram na internet e confirmaram que a África do Sul é um ótimo lugar para intercâmbios.

Fernanda já está há 30 dias em Cape Town e retorna ao Brasil no dia 8 de agosto. Ela resumiu a experiência ao Circuito Mato Grosso: “Eu não poderia ter feito melhor escolha, até porque ela foi possível. Eu tenho certeza que com o pouco dinheiro que eu tinha eu não teria conseguido realizar meu objetivo. De verdade, você não precisa fazer grandes economias para realizar uma viagem para cá. Eu trabalhava na faculdade como bolsista e consegui juntar dinheiro o suficiente para vir. Acho a melhor experiência com custo relativamente baixo. Eu estou conseguindo aprender e a ter resultados ótimos. Quando cheguei não sabia falar nada e graças a Deus encontrei pessoas como a Beatriz, que nem conhecia, que me ajudaram. Me buscou no aeroporto, me orientou... e com três semanas eu já estava conseguindo entender muito mais. Mas eu também estudo muito, muito. Os professores viram o meu progresso, fiz um teste e semana passada me mudaram de nível”.

Fernanda conta que está muito feliz como os resultados que está alcançando e com as experiências que a escola onde está matriculada lhe proporciona. Ela frequenta uma aula free class, na qual tem a oportunidade de dialogar com alunos de níveis mais avançados e ainda com ajuda de um professor. “Quando eu vi free, quis participar. E nessas aulas já fiz amigos da Arábia, Suécia, da China e vários outros lugares”.

Sobre dificuldades em Cape Town, ela diz que não está tendo nenhuma. “Meu objetivo aqui é estudar. O meu caminho quase todo dia é casa, escola, e está até sendo um pouco mais fácil aprender porque no intercâmbio as coisas ficam mais naturais. Você vê as palavras em inglês, você usa... as paisagens são lindas, lindas de verdade. Eu caminho olhando as montanhas ao meu redor com as nuvens em cima, o mar, praias belíssimas, e o bacana é que a escola nos leva para conhecer as montanhas de graça. Até quando eu vou andando para casa eu me sinto relaxada porque vejo paisagens belíssimas. Estou gostando muito das pessoas, tanto as que são daqui como as que são de fora. Conhecendo muitas histórias, culturas e aprendendo inglês de forma bem natural. Estou muito feliz”.

Charles Campelo, 35 anos, é do Rio de Janeiro e descobriu a África do Sul por meio da namorada Renata Souto Maior, que mora em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Charles Campelo é do Rio de Janeiro

Ele está lá para melhorar o Inglês porque o grande objetivo é se preparar para fazer um curso nos Estados Unidos em sua área de trabalho. Charles conta que está com pouco dinheiro, mas que dá para o mínimo necessário, até porque seu grande objetivo lá é estudar. “Estou gostando muito”.

Yeda Campos, 52 anos, é artista plástica, tem residência em São Paulo e mora há sete anos em companhia do marido em Luanda, Angola. No ano passado, em junho, resolveu aperfeiçoar o Inglês e decidiu ir para Cape Town. Começou a pesquisar e acabou conhecendo a mato-grossense Safyia Beatriz no grupo que a jornalista e hoje guia de turismo criou no Facebook para ajudar intercambistas.

Yeda Campos mora na Angola

Já na capital sul-africana, Yeda se instalou em um apartamento próximo à praia que divide com uma amiga. Seu grande interesse é aprender inglês. Visitou várias escolas e optou por aquela que considerou mais estruturada, de nível de ensino/aprendizagem mais elevado e pela dinâmica das salas.

“Percebo muitos brasileiros vindo para cá. Estão descobrindo a África pela vantagem econômica dos cursos e isso tornou o continente africano mais atrativo para se fazer o intercâmbio”, comenta Yeda, que pretende ficar mais um ano por lá para aprimorar seu inglês, inclusive o britânico, porque está no berço da colonização.

As paisagens naturais, os pontos turísticos também são grandes atrativos, segundo Yeda. “Para os mais jovens há baladas bem mais baratas e para os mais maduros, vinhos maravilhosos e um culinária muito parecida com a brasileira. Os sul-africanos também recebem muito bem, são bem parecidos com os latinos”, completa Yeda, que fica entre o Brasil, Angola e Cape Town, num intercâmbio de vivência e aprendizado.

Sobre intercâmbio na África do Sul

1- Quando comparado aos preços gastos em um curso de inglês na Inglaterra ou Estados Unidos, um curso de inglês na África do Sul sai na frente. 

2- A moeda, o rand, é desvalorizada em relação ao real. Isso torna o custo de vida no país mais baixo.

3- Para fazer um curso de intercâmbio na África do Sul de até três meses não é necessário tirar o visto.

4- O clima é similar ao do Brasil. Nada de invernos longos e cheios de neve. 

5 - As paisagens são espetaculares. Desertos, savanas e pastagens, cordilheiras, montanhas e durante o inverno é possível ver neve nos pontos mais elevados.

6- Você pode fazer safáris, conhecer zoológicos e praticar esportes radicais durante seu intercâmbio na África do Sul.

Serviço:

O serviço oferecido por Safyia Beatriz inclui transfer do aeroporto, acomodação em sistema de Cama e Café, chip pré-pago de celular com crédito e cartão de ônibus na chegada, faz todo o intercâmbio com a escola de inglês e leva até a escola no primeiro dia, além de fornecer todas as informações básicas para a temporada em Cape Town.

Valores:

Valor do Curso General English: R$ 2.900,00 por mês.                       

Acomodação em casa de família: R$ 1.400,00 por mês                

Passagem aérea idade e volta: R$ 2.200,00

Contato:

Grupo no Facebook: Estudantes e Brasileiros residentes em Cape Town

E-mail: safiyaabdulparker@gmail.com                       

WhatsApp +27614831949                       

 

1 COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. Depois de muito tempo tentando aprender a como PENSAR EM INGLÊS, encontrei uma página (http://bit.ly/2sXQbcP) com várias DICAS para finalmente aprender a PENSAR EM INGLÊS e facilitar minha vida! Um método de aprendizagem acelerada, usado por grandes personalidades no exterior mas que quase ninguém compartilha no Brasil. Isso me abriu muitas portas de oportunidades profissionais, de viagens e de lazer! Fantástico!

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE