PUBLICIDADE

Cultura - Página 64

Artistas mato-grossenses conquistam prêmio do Ministério da Cultura

Artistas mato-grossenses conquistam prêmio do Ministério da Cultura

Quatro artistas mato-grossenses conquistaram o “Prêmio Culturas Populares - Edição 100 anos Mazzaropi” do Ministério da Cultura (Minc), instituído pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID/Minc), e levaram R$ 10 mil cada um, já descontados os impostos, nas categorias de mestres e grupo informal.

Pedra 90 recebe ‘Indústria do Riso’ em sua última apresentação

Pedra 90 recebe ‘Indústria do Riso’ em sua última apresentação

“Recepção carinhosa”, foi assim que Justino Astrevo, o Lau da dupla Nico e Lau, definiu a reação do público na última apresentação da turnê ‘Indústria do Riso’ no dia (19), no bairro Pedra 90, em Cuiabá. Cerca de 2500 pessoas gargalharam com as piadas contadas pela dupla de humoristas cuiabanos no show ‘Bem na foto’. O projeto cultural ‘Indústria do Riso’ é realizado pelo Sistema Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Sistema Fiemt), por meio do Serviço Social da Indústria (Sesi-MT), e além de Cuiabá, visitou outras quatro cidades do Estado – Juína, Sinop, Rondonópolis e Cáceres.

Popular, mas desprezado por acadêmicos, Vinicius de Moraes faria hoje cem anos

Popular, mas desprezado por acadêmicos, Vinicius de Moraes faria hoje cem anos

Poucos brasileiros encarnam tão bem a imagem padrão que se tem de um poeta quanto Vinicius de Moraes.   Nove casamentos, outras tantas paixões arrebatadoras, boêmia irrefreável e fome sem limite pela vida --contrabalançada por uma melancolia que só os mais próximos sabiam reconhecer-- compuseram os 66 anos de vida intensa do escritor, compositor, diplomata, dramaturgo e jornalista.   "Foi o único de nós que teve a vida de poeta", sintetizou Carlos Drummond de Andrade. O mineiro tímido falava com admiração (e um tantinho de inveja) da "independência de espírito" do colega. E parece ser este, curiosamente, o nó central da recepção acadêmica da obra literária de Vinicius: teria ele gastado muito de sua poesia na própria vida e pouco nos livros?   Vinicius de Moraes, que completaria cem anos hoje, é ainda pouco estudado e não tem muito espaço na universidade. Teses e livros de análise dedicados aos seus poemas são poucos, segundo poetas e professores ouvidos pela Folha.   Este deve ser um dos poucos sinais de desdém na trajetória do sedutor Vinicius, ainda mais se levarmos em conta o sucesso mundial de sua carreira na música a partir do final dos anos 1950, com o estouro da bossa nova.   Victor Rosa, mestrando que prepara dissertação sobre Vinicius, diz que quase não ouviu falar dele durante seu curso de letras na UFRJ. "Costumo dizer que o Vinicius é uma espécie de América [time de futebol]. Tudo mundo tem carinho por ele, mas não tem coragem de torcer."   A repercussão crítica da obra de Vinicius ganhou impulso nos últimos anos, quando a Companhia das Letras passou a reeditar seus livros, com organização do também poeta Eucanaã Ferraz.   "Durante muito tempo a universidade esnobou Vinicius, mas ele não precisou dela para se firmar entre os leitores", diz Ferraz. "Suas músicas angariaram novos leitores para a poesia. Hoje há um novo olhar para a obra dele."   A carreira literária de Vinicius de Moraes teve uma trajetória curiosa. Seus primeiros livros, "O Caminho para a Distância" (1933) e "Forma e Exegese" (1935), depois renegados por ele, trazem versos com feição simbolista, de religiosidade opressiva e tom grandiloquente.   A grande virada começa a partir dos anos 1940, quando a sensação de culpa do poeta sai de cena e ganham espaço o erotismo, um ambiente solar e a ode às mulheres.   É a grande fase de Vinicius, com os célebres sonetos de "Poemas, Sonetos e Baladas" (1946) e "Novos Poemas (II)" (1959). Depois disso, seu foco passa a ser a música e a produção em poesia diminui.   "O sucesso com as canções obscureceu o lado poeta. Mas sinto que isso está mudando. Vinicius é o maior sonetista do Brasil, não deve nada aos grandes da língua portuguesa", diz o poeta e tradutor Paulo Henriques Britto.   'FÁCIL DE FAZER'   José Castello conta que escreveu a biografia "Vinicius de Moraes - O Poeta da Paixão" (1994) para lutar contra o estigma de "poetinha" associado a ele. "Há um desprezo grande pelo lirismo de Vinicius, como se fosse algo menor, fácil de fazer. Ficou a imagem de um show man, um homem cercado por belas mulheres, o que acabou prejudicando a avaliação do real tamanho de suas poesias."   Já o professor de literatura brasileira da USP Alcides Villaça diz que Vinicius ainda não foi compreendido de forma integral. "Ele é o poetinha, mas ao mesmo tempo tem um verso que diz 'poeta sou altíssimo'. Ele está nessas duas partes e em tudo o que está no meio disso."     Folha.com  

Crianças atendidas por projetos sociais farão apresentações para a sociedade

Crianças atendidas por projetos sociais farão apresentações para a sociedade

As aulas do “Curso Teatro e Dança na Comunidade”, que começaram no dia 10 de setembro para as crianças atendidas nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), dos bairros Tijucal, CPA, Jardim Araçá e Planalto, além dos Distritos da Guia e Aguaçú em Cuiabá, serão encerradas com apresentações simultâneas pela cidade em dezembro.

Famílias destinam 42% dos gastos com cultura para telefonia, mostra IBGE

Famílias destinam 42% dos gastos com cultura para telefonia, mostra IBGE

As famílias brasileiras gastaram 8,6% do orçamento mensal em produtos e serviços relacionados à cultura, entre 2007 e 2010, o equivalente a R$ 184,57. A maior parte dessa despesa foi para telefonia, equivalente a 42% do total gasto com cultura (R$ 78,26). Em seguida, aparecem compras de eletrodomésticos (15,7%) e com lazer e festas (14,1%).

Poeta popular, Vinicius de Moraes foi um intelectual de múltiplas facetas

Poeta popular, Vinicius de Moraes foi um intelectual de múltiplas facetas

Uma das personalidades da cultura brasileira de maior projeção popular, Vinicius de Moraes, cujo centenário o país celebra neste sábado, foi muito mais do que o poeta de primeira linha e o letrista de músicas que há cinco décadas são executadas e regravadas em todo o mundo. O Poetinha, como ele mesmo – que cultivava os diminutivos como forma de carinho – gostava de ser chamado, foi um intelectual de múltiplas facetas.

R$ 325 mil serão pagos para projetos culturais em Cuiabá

R$ 325 mil serão pagos para projetos culturais em Cuiabá

Mais de 19 projetos culturais selecionados pelo Conselho Municipal de Cultura tiveram o pagamento aprovado na Secretaria Municipal de Cultura de Cuiabá. A intregração de R$325 mil ocorreu nesta semana. São contemplados projetos das áreas de artes cênicas, cinema e vídeo, artes visuais, artes integradas, cultura popular e música.

Melhor idade planta mudas de ipê e realiza caminhada

Melhor idade planta mudas de ipê e realiza caminhada

A melhor idade de Jaciara colocou em pauta, na manhã dessa terça-feira (15), a preservação da natureza e saúde.  As atividades tiveram início as 7h com a plantação de mudas de ipê no canteiro central da Avenida Caetés, através da parceria entre o projeto Jaciara Mais Verde com a Feliz Idade e a Secretaria Adjunta de Meio Ambiente. Logo em seguida, o Conviver realizou uma caminhada ao longo da Avenida Piracicaba.

Corpo Musical da PMMT completa 121 anos

Corpo Musical da PMMT completa 121 anos

O Corpo Musical da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso completa no próximo sábado (19) 121 anos de muita história. A banda realiza diversas apresentações culturais por todo o Mato Grosso, cerca de 200 por ano, e possui um repertório extenso que vai desde hinos e músicas eruditas até músicas populares como samba e sertanejo. Para que isso aconteça, os profissionais ensaiam diariamente na sede da unidade, que está instalada no prédio do 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM), no bairro Porto, em Cuiabá.

Espetáculo conta a história do samba no Cine Teatro

Espetáculo conta a história do samba no Cine Teatro

A história do samba contada de um jeito diferente por cuiabanos, que fará uma viagem pela trajetória do ritmo, será apresentada nesta terça-feira (15), no Cine Teatro Cuiabá, às 20h. O espetáculo cênico musical inspirado no samba traz ao palco nomes consagrados como Pixinguinha, Cartola, Noel Rosa, Clementina de Jesus, Jovelina Pérola Negra, Dona Ivone Lara, além do choro, marchinhas de Carnaval e samba enredo.