PUBLICIDADE
SEU PET VIRA ARTE

Artista português produz esculturas e eterniza os animais de estimação em Cuiabá

São pinturas e esculturas que de maneira geral refletem e homenageiam a essência da natureza em cimento, tinta ou rezina.

Juliana Alves

Jornalista

06/02/2019 13h08 | Atualizada em 06/02/2019 13h40

Artista português produz esculturas e eterniza os animais de estimação em Cuiabá

Juliana Alves/CMT

Cercado de quadros e esculturas, o artista português Francisco Charneca, 59 anos, mostrou ao Circuito Mato Grosso o seu ateliê, em Cuiabá, com suas obras que basicamente representam os animais e sua essência.

São quadros que marcam o olhar de uma onça, a tranquilidade de um cervo e o simples retrato de um búfalo. Entre as esculturas estão animais selvagens como o javali, mas também os pets de clientes, como cavalos e cães que podem ser representados até mesmo com seu brinquedo de pelúcia.

Charneca nasceu em Évora, Portugal, e ainda bebê foi morar com sua família em Moçambique, país localizado na África. Lá aprendeu a conviver com a natureza e sua primeira lembrança como artista é aos dois anos de idade. “A minha mãe dava a bíblia para que eu desenhasse nas páginas em branco. A arte está no meu sangue desde sempre. Somos três irmãos, todos nós somos artistas”, contou Francisco.

A primeira exposição que participou foi coletiva e aos 10 anos de idade em 1969. Nela, apresentou suas primeiras pinturas e esculturas, depois disso não parou mais de produzir. “Sou completamente autodidata, ninguém nunca me ensinou rigorosamente nada”.

Uma cliente encomendou a escultura de seu pet acompanhado de seu brinquedo de pelúcia

Alguns anos depois voltou para Portugal e ganhou de seu padrinho seu primeiro estojo de pintura a óleo. Anteriormente usava tinta guache do material escolar.

“Quando eu voltei para Portugal praticamente abandonei a escultura, pois não havia muita tradição de venda lá”. Ele conta que chegou a produzir um busto do então Papa João Paulo II, em sua primeira visita a Portugal.

 Após conhecer Eva Charneca, a mato-grossense que se tornaria sua esposa, em 1996 ele se mudou para Mato Grosso, onde vive atualmente. “Como o Brasil havia pouca tradição em aquarela eu comecei a trabalhar com outros materiais”. O casal abriu uma galeria de artes em Várzea Grande, que durou alguns anos, e ele começou a produzir as esculturas, além dos quadros.

Francisco Charneca diz que a sua área de formação é a de ciências do meio ambiente e ele é caçador, cujo afirma ser um processo natural da natureza, e além de artista é um estudioso do javali.

Charneca também reproduz cavalos em suas esculturas

Ao falar sobre animais de estimação, ele diz que “pet na verdade é o momento em que o homem adota para o seu lar ou para a sua convivência próxima um animal que outrora era selvagem. Com o tempo passa a ser tão comum que se tornam animais domésticos, como porcos, por exemplo”.

O artista que já produziu esculturas em cimento e ferro, não somente de animais, em tamanho real e esculturas de até uma vez e meia maior do que seria o normal. As pequenas esculturas que estavam à mostra em seu ateliê são de rezina, as quais primeiramente é feito um molde em cera e depois são acrescentados os pequenos detalhes dos animais, materializando uma homenagem a vários pets e conquistando clientes e admiradores pelo país.

Quem tiver curiosidade em adquirir alguma peça do artista, basta entrar em contato com a sua equipe pelo número (65) 9 8416-9336 ou pelo e-mail galeriafranciscocharneca@yahoo.com.

O outro lado

Pedro Pires mora na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul, e encomendou uma peça que representasse seu companheiro, da raça pointer inglês, o Bino.

Ele se interessou pelo pointer inglês e comprou Bino ainda filhote, há três anos.

“Desde então ele ficou meu cachorro de estimação. O Bino anda sempre comigo, para todos os lugares. Ele tem uma adoração em andar na carroceria da minha caminhonete e levo ele até mesmo para a faculdade. Nós temos uma relação muito forte e acaba facilitando a caça, a gente se entende muito bem”.

Ele contou que quando conheceu o trabalho de Francisco Charneca achou perfeito para poder eternizar seu companheiro. Pedro encaminhou algumas fotos e vídeos do Bino caçando, dessa forma o artista poderia observar os detalhes e reproduzir fielmente ao animal.

“Todo mundo que vê a escultura aqui na minha estante fica apaixonado. Qualquer pessoa que gosta de natureza deve admirar o trabalho dele”, afirmou.

Escultura e fotografia do Bino

 

.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE