PUBLICIDADE
RESSIGNIFICA PRO BEM

Voluntários arrecadam alimentos especiais para pacientes do HUJM com diabetes gestacional

São mulheres que não têm condições de adquirir a dieta para controlar a diabetes gestacional e evitar suas consequências

Da Redação

Equipe

03/08/2021 16h21 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Voluntários arrecadam alimentos especiais para pacientes do HUJM com diabetes gestacional

Divulgação

O projeto Ressignifica Pro Bem está arrecadando alimentos especiais a serem doados no próximo sábado (07.08) para pacientes com diabetes gestacional atendidas no Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM), de Cuiabá (MT). São mulheres carentes, que não têm condições de adquirir a dieta.



Maria Júlia da Gama Fortunato Ziliani, acadêmica de Medicina da Universidade Anhembi Morumbi (UAM/SP) e uma das coordenadoras do projeto, informa que quem puder doar alimentos poderá entrar em contato com ela pelo telefone (65) 98122-8797 ou pelo direct do instagram @ressignificaprobem. Também podem ser feitas doações em dinheiro pelo PIX 066.303.351-98 (CPF).

De acordo com a ginecologista e obstetra Giovana Fortunato, professora do Departamento de Medicina da UFMT, mulheres com diabetes gestacional precisam ter cuidado redobrado porque o aumento do açúcar no sangue pode prejudicar o desenvolvimento do feto e trazer complicações como parto prematuro, pré-eclâmpsia e doenças cardíacas no bebê.

A médica observa que a gestante deve optar por alimentos pobres em carboidratos ou que contenham carboidratos complexos, que são os chamados alimentos integrais. Por isso o Ressignifica Pro Bem está em busca de doações dos seguintes alimentos: arroz integral, aveia, óleo de girassol, feijão, grão de bico, leite desnatado e pão integral.



Ainda segundo a médica Giovana Fortunato, a diabetes gestacional geralmente se desenvolve perto do 3º trimestre de gravidez devido a uma resistência à insulina provocada pelos hormônios da gestação. Este tipo de diabetes normalmente desaparece depois do parto e, raramente, gera sintomas, embora, em alguns casos, possa surgir visão turva e muita sede.

“O seu tratamento deve ser iniciado ainda durante a gestação com uma dieta adequada ou com o uso de remédios, como hipoglicemiantes orais ou insulina, dependendo dos valores de açúcar no sangue”, pontua.

Dra. Giovana Fortunato observa, por outro lado, que a diabetes gestacional quase sempre tem cura após o parto, no entanto, é importante seguir corretamente o tratamento proposto pelo médico, já que existe um risco elevado de se desenvolver diabetes mellitus tipo 2 em cerca de 10 a 20 anos e também de sofrer com a diabetes gestacional numa outra gravidez.

O Ressignifica Pro Bem

Trata-se de um projeto social que há 1 ano distribui alimentos, produtos de higiene, roupas e agasalhos a pessoas em situação de rua de Cuiabá e São Paulo e também para famílias carentes. A mobilização ocorre por meio do @ressignificaprobem, por onde as pessoas também podem conhecer e aderir ao trabalho voluntário.



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE