PUBLICIDADE
UM CADERNO NAS MÃOS CERTAS

Projeto pede doações de materiais escolares para crianças carentes de VG

Em um dos pontos de arrecadação, dentro da UFMT, cerca de 50 itens doados, como lápis e borracha, foram furtados da caixa de coleta.

Juliana Alves

Jornalista

11/02/2019 16h09 | Atualizada em 11/02/2019 16h26

Projeto pede doações de materiais escolares para crianças carentes de VG

Reprodução/Internet

O Projeto Solar está arrecadando doações de materiais escolares para crianças carentes do bairro Mapim, em Várzea Grande. Podem ser doados lápis preto, borracha, apontador, caneta, caderno, lápis de cor, giz de cera, canetinha, marca texto, tesoura, cola branca, mochila, estojo, entre outros. São dois pontos de arrecadação dentro da Universidade Federal de Mato Grosso, um na Turks Hamburgueria, no bairro Boa Esperança, e nas lojas Microlins - Centro, CPA e Várzea Grande.

Solidariedade, amparo e resgate são as palavras que formam o significado de “Solar”, nome do projeto sem fins lucrativos e sem vínculo politico, religioso ou institucional, que busca ajudar pessoas em condições de vulnerabilidade, situação e rua e entidades que prestam caridade.

Gabriel Coutinho, um dos fundadores do projeto, contou ao Circuito Mato Grosso que o trabalho existe há três anos, desde 2015. “A gente tenta se solidarizar com o próximo para poder sentir o que a outra pessoa sente, se colocar no colocar no lugar ela e assim poder fazer algum tipo de ajuda”.

A campanha dessa vez é para a doação de materiais escolares, novos ou usados, em bom estado de conservação, que serão destinados à Associação Espírita Percílio Martins, que atende cerca de 70 crianças, no bairro Mapim, em Várzea Grande.

A ação de entrega dos materiais ocorrerá no dia 09 de março, na Associação Espírita. Para conhecer o trabalho do projeto e ter mais informações, basta entrar em contato com o número (65) 99223-9956 ou nas redes sociais do SOLAR.

Furto de arrecadações na UFMT

Um dos pontos de entrega está localizado no Instituto de Linguagens da UFMT, desde o início da última semana, devido a uma parceria entre a Atlética Infernal e o Projeto Solar, que inclusive já incentivaram outras arrecadações.

“A Atlética Infernal, se entendendo como uma organização de esporte, lazer e integração social, iniciou em setembro do ano passado um setor de Filantropia, para incentivar os estudantes a trazerem um impacto significativo à comunidade externa da academia. Nós temos parceria com cerca de sete ONGs e projetos sociais de Cuiabá, buscando assim promover ações de trabalho voluntário e engajamento social que devolvam à sociedade o mínimo de dignidade, respeito e humanitarismo”, contou Giovanni Ojeda, integrante da equipe.

Na quinta-feira (07), a caixa que estava no Centro Acadêmico do Instituto de Linguagens, com cerca de 50 materiais escolares arrecadados, estava vazia. Para compensar o prejuízo, a Atlética está reforçando o pedido de ajuda.

Para prevenir que as doações sumam novamente, integrantes da equipe da Atlética estarão toda manhã na Universidade para coletar em mãos a arrecadação. Basta entrar em contato através das redes sociais  ou no telefone do Giovanni (65)  9 9320-8316, até o dia 07 de março.

.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE