PUBLICIDADE
FALTA DE ESTRUTURA

Profissionais da saúde criticam falta de projeto para hospital materno-infantil em Cuiabá

A intenção é inaugurar o novo pronto-socorro ainda em dezembro e já no início de 2019 começar a mobilização para a entrega do hospital materno infantil

Da Redação

Equipe

07/11/2018 14h19 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Profissionais da saúde criticam falta de projeto para hospital materno-infantil em Cuiabá

Francinei Marantes

Profissionais ligados à saúde e à defesa de crianças e adolescentes de Cuiabá criticaram a forma como o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) pretende implantar o novo hospital materno-infantil na Capital, no local onde funciona o atual pronto-socorro. A ideia é começar a implantar o hospital infantil assim que houver a inauguração do novo pronto-socorro de Cuiabá.

As criticas foram feitas durante audiência pública na Câmara de Cuiabá, nesta quarta-feira (7), que teve o objetivo de discutir sobre a viabilidade da implantação do hospital materno-infantil, uma vez que o Executivo  estabeleceu apenas  R$ 4 em recursos na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2019 para tal obra.

De acordo com a prefeitura, a intenção é inaugurar o novo pronto-socorro ainda em dezembro e já no início de 2019 começar a mobilização para a entrega do hospital materno infantil.

Segundo a juíza da Vara da Infância e Juventude, Gleide Bispo, o Município não possui condições para fazer do atual pronto-socorro um hospital de qualidade para mães, crianças e adolescentes. Segundo ela, o local não tem estrutura e a prefeitura sequer tem um estudo sobre a viabilidade da implantação.

A sugestão, segundo a magistrada, é que a obra seja iniciada “do zero”, em um local mais adequado, inclusive com o auxílio financeiro do Estado.

“Eu não falo em nome próprio. Falo em nome das crianças e adolescentes. Sei bem o que eles precisam, mas como porta-voz eu diria que não é a saída. Não é o que as crianças querem. Não é o que elas merecem: permanecer ali no pronto-socorro, simplesmente dar uma maquiada porque hoje  não tem esse projeto de cuidados que a prefeitura diz que vai começar a reformar já agora em janeiro. A partir de que? Quais as necessidades? As crianças precisam de algo melhor e devem ser prioridade absoluta nesse pais”, disse a juíza.

O vice-presidente do Conselho Municipal de Saúde, Júlio César de Souza Garcia, também criticou a forma como deve ser feita a implantação do hospital materno-infantil, pois não há recursos garantidos. Ele lembrou ainda que existem outras obras na área da atenção básica da saúde que seguem paradas por falta de dinheiro. Ao menos sete obras não têm previsão de conclusão.

“Para poder fazer a construção de um hospital, precisaremos dos três entes e temos a dificuldade dos recursos para que seja feito isso. Temos que ter toda uma expertise de saber como vamos buscar esses recursos, que eles realmente venham e não fiquem só no papel, como ocorreu com essas outras obras”, afirmou.

Diante das dúvidas colocadas quanto à implantação do hospital e ausência do secretário de Saúde, Huak Douglas, ou mesmo de representantes da pasta na audiência, o vereador Marcelo Bussiki (PSB) decidiu que será criado um grupo de trabalho para acompanhar o andamento do projeto.

“É um grupo de trabalho para que possamos estar à frente, liderando esse processo, para  que seja feito de forma transparente, com planejamento e não fazer de qualquer jeito, como muito é feito em Cuiabá. Queremos fazer uma construção a várias mãos. Mas infelizmente o prefeito não encaminhou seu representante, pois  ele acha que mudar a saúde é mudar o gabinete para o novo pronto-socorro”, lamentou.

Bussiki afirmou ainda que o grupo de trabalho vai agendar reuniões com o governador Pedro Taques (PSDB), com o governador eleito Mauro Mendes (DEM), deputados federais e os eleitos para que se possa construir uma solução pensando na saúde das mães, crianças e adolescentes. 

“Nós fizemos essa audiência, trouxemos os atores do processo, mas tenho certeza de que a prefeitura vai nos ouvir através dessas sugestões que estaremos encaminhando formalmente ao gabinete dele”, encerrou o presidente da audiência pública.

.

FONTE: Assessoria

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE