PUBLICIDADE

Cidades - Página 1145

Revéillon de Copacabana deverá reunir 2,3 milhões de pessoas e será transmitido para outros países

Revéillon de Copacabana deverá reunir 2,3 milhões de pessoas e será transmitido para outros países

 Pela primeira vez, o réveillon de Copacabana terá como tema principal um filme dirigido por um brasileiro – Rio 2 – e será transmitido para diversos países da América Latina e para os Estados Unidos. A informação foi divulgada hoje (13) pela Secretaria Municipal de Turismo, que espera o comparecimento de 2,3 milhões de pessoas à festa, dos quais 767 mil turistas.

Acidente mata duas pessoas próximo a Nova Mutum

Acidente mata duas pessoas próximo a Nova Mutum

Duas pessoas morreram e outras duas ficaram feridas em um acidente envolvendo uma caminhonete e um caminhão tanque branco que estava carregado com óleo vegetal. A colisão frontal ocorreu na BR-163, a cerca de 35 quilômetros de Nova Mutum (239 km da Capital) sentido Lucas do Rio Verde.

Cuiabá tem apenas 20 km de ciclovias
MAGRELAS

Cuiabá tem apenas 20 km de ciclovias

Por Camila Ribeiro Fotos: Mary Juruna e Paulo Luz    Juntas, Cuiabá e Várzea Grande registram uma média aproximada de 54 mil viagens de bicicleta semanalmente. O uso das ‘magrelas’ pelas ruas da Capital mato-grossense e da Cidade Industrial cresce a olhos vistos, principalmente em meio àqueles que tentam fugir do trânsito caótico. Em contrapartida, os adeptos da bike encontram empecilhos como à falta de ciclovias ou ciclofaixas. Cuiabá, por exemplo, contabiliza hoje apenas 20 km de vias desta natureza e que em sua grande maioria não apresentam infraestrutura adequada ou simplesmente estão abandonadas pelo poder público, sem qualquer tipo de manutenção.    A Secretaria Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) contabiliza na Capital 2 km de ciclovia na Avenida Arquimedes Pereira Lima (Estrada do Moinho), outros 10,4 km de ciclofaixa na Avenida das Torres e mais 7,5 km de ciclofaixa na Avenida Tatsumi Koga, na região do bairro Pedra 90.    Adepto à prática do ciclismo, o servidor público federal Paulo Luz revela que por conta da proximidade de sua residência do trabalho – cerca de 2 km de distância – ele prefere ir trabalhar de bicicleta. Ainda segundo ele, a escolha é não somente pela distância como também pela questão da economia com combustível e ainda pelos benefícios à saúde.    Acostumado também a realizar pequenos passeios ciclísticos em grupo nos finais de semana, Paulo diz que não bastasse o fato de a cidade ter poucas faixas destinadas aos ciclistas, as que existem sequer poderiam ser chamadas de ciclovias. Isto porque, segundo ele, grande parte dos espaços é utilizada como estacionamento para carros, ‘ocupados’ por caçambas de lixo, barraquinhas de vendedores ambulantes ou ainda servindo como depósito de materiais ou restos de construção.    “Além da falta de consciência das pessoas que utilizam as ciclovias para outros fins, a infraestrutura também é de se lamentar. Os espaços estão tomados por esgoto, buracos que mais parecem crateras e até quebra-molas que desafiam a nossa pedalada”, lamenta o ciclista.    Segundo Paulo, uma das situações mais críticas é a da ciclofaixa na Tatsumi Koga, que liga o Pedra 90 ao Distrito Industrial. “É um trecho de mais ou menos 7 km que não tem asfalto. Se está sol, é só areia, se chove a ciclofaixa vira só lama. Até as ‘tartarugas’ que serviam para identificar a via foram quebradas ou arrancadas”, relata.    Diariamente, no entanto, Paulo relata encontrar barreiras que vão além da falta de ciclovias na cidade. Ele assegura, por exemplo, “que a primeira grande dificuldade é a questão cultural. Os motoristas não conseguem – ou não querem entender – que os ciclistas fazem parte do trânsito”, observa o servidor. Ele ainda completa dizendo que fechadas no trânsito e buzinadas se tornaram comuns em seu dia adia.    Secopa nega ter ‘abortado’ projetos    Em entrevista ao Circuito Mato Grosso, o assessor de mobilidade urbana da Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa), Rafael Detoni, negou as afirmações divulgadas na imprensa recentemente e que davam conta que a Secretaria teria descartado a implantação de ciclovias previstas em 19 projetos do Plano de Mobilidade e Transporte da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, com vistas à Copa do Mundo de 2014.    Detoni explicou que assim que Cuiabá foi escolhida cidade-sede para o Mundial, foi elaborado o plano de mobilidade, com o levantamento de todo o sistema de trânsito e transporte da Capital e de Várzea Grande. A partir daí, segundo ele, foi proposta uma série de projetos de intervenção no sistema viário e no transporte coletivo visando à Copa.    “Aproveitaram-se os dados e as informações levantadas para se propor diretrizes para que os municípios possam trabalhar em cima disso, colocar em prática futuramente. Acontece que a Secopa foi instituída para atender uma necessidade chamada Copa do Mundo. A Secopa não substitui a SMTU, a Câmara de Vereadores, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, a Secretaria de Obras, a Ager, a Setpu, que são os órgãos responsáveis pela gestão do transporte municipal e intermunicipal”, assegurou o assessor.    O assessor de mobilidade urbana admitiu que a questão das ciclovias é legítima e argumentou que, tamanha importância do assunto, é que a implantação das faixas para ciclistas foi contemplada em um capítulo específico do plano de mobilidade. “Fizemos análises do que pode ser elaborado pelos municípios. Agora dizer que Secopa pegou esse capítulo e rasgou ou esqueceu, é sacanagem, a história foi deturpada”, alegou Detoni.    Deficiências começam na legislação   A ausência de ciclovias em Cuiabá é fruto, inclusive, de uma legislação bastante restrita no que tange ao transporte cicloviário. Hoje, o que existe legalmente constituído neste sentido consta no Plano Diretor de Desenvolvimento Estratégico da Capital, ainda assim, de maneira bastante superficial. O artigo 10 do Plano Diretor, que estabelece diretrizes específicas do desenvolvimento estratégico na área do sistema viário, ressalta, por exemplo, a necessidade de ampliar “a extensão e implementação de ciclovias e vias de pedestres interligando áreas residenciais, preferencialmente nas faixas marginais dos córregos e vias duplicadas”, diz um trecho.   “A gente percebe que o plano fala em implementar, mas não diz como”, destaca Rafael Detoni. Ele observa ainda que a lei de hierarquização viária de Cuiabá criou uma categoria de via chamada via parque ou viaverde (aquelas que correm às margens dos córregos) e segundo Detoni, somente nestes casos há especificação para implantação das ciclovias. “Está instituído em lei para que quando essas vias forem construídas elas sejam dotadas de ciclovia. As demais avenidas de Cuiabá não têm uma imposição ou uma diretriz legal para implantação de ciclovia, com exceção da Archimedes Pereira Lima, esta é a única onde o escopo legal traz a obrigatoriedade de construção de ciclovia”, completa o assessor.    Por fim, o assessor alega que a engenharia é capaz de solucionar os problemas quanto à ausência das vias para os ciclistas, no entanto, para isso, faz-se necessário que a construção da ciclovia seja previamente definida e legalmente constituída. “A engenharia resolve tudo. Se precisar colocar uma ciclovia numa trincheira, num viaduto, você coloca. Agora para que você faça isso precisa de uma decisão legal do município. Decisão política, de aprovação de lei e definição de critérios”.    Por enquanto na SMTU, ciclovias só no papel...   Enquanto a locomoção por meio das bicicletas se propaga na Capital, a implantação de novas ciclovias parece distante. Existem alguns projetos que preveem a construção das faixas para os ciclistas e até mesmo as ciclovias temporárias – vias onde o tráfego se torna exclusivo para bicicletas aos finais de semana, por exemplo – semelhante a iniciativas já desenvolvidas em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro. Acontece, no entanto, que estes projetos não têm previsão para se materializar.    O secretário-adjunto da SMTU, Thiago França, revela que existe inclusive um Grupo de Trabalho criado a partir de uma determinação do Ministério Público Estadual (MPE) e que está viabilizando projetos nesta área. “A gente sabe que é um processo complexo e que não acontece do dia para a noite. Ainda assim, é uma coisa que não dá mais para ‘ser empurrada com a barriga’, porque o número de ciclistas na cidade cresce vertiginosamente”, admite França.    Segundo o secretário, assim como outras cidades brasileiras, Cuiabá encontra empecilhos para aplicar tais projetos, já que ao longo dos anos registrou um crescimento desordenado e sem planejamento. “Cuiabá não é uma Suíça ou uma França. Nosso sistema viário foi concebido de forma a privilegiar o fluxo de carros, de forma que ônibus, bicicletas e outros meios de transporte foram marginalizados”.    Entre os projetos que devem ser implantados na Capital, França destaca o ‘Porto Cuiabá’, que terá aproximadamente 1,6 km de ciclovia, bem como bicicletários. Além disso, o secretário revela que a Prefeitura trabalha em parceria com o Governo do Estado nas obras de duplicação da Estrada do Moinho e implantação da Avenida-Parque do Barbado, que disponibilizarão mais 4 km e 1,8 km de ciclovias, respectivamente.      Leia mais!!!

MTU instala terminais de autoatendimento para recarga do cartão integração

MTU instala terminais de autoatendimento para recarga do cartão integração

Além dos 409 pontos de recarga credenciados a MTU - Associação Matogrossense dos Transportadores Urbanos, os usuários do sistema de transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande podem contar agora com seis máquinas de auto atendimento para compra de crédito e verificar saldos do Cartão Tem Integração, garantindo assim maior agilidade e segurança em seus deslocamentos.

Programa leva inclusão digital ao Instituto de Cegos de Mato Grosso

Programa leva inclusão digital ao Instituto de Cegos de Mato Grosso

Os deficientes visuais do Instituto de Cegos e Mato Grosso passaram a ter acesso à internet, cursos de qualificação em informática, receber e enviar emails, pesquisas formação acadêmica, além de ganharem independência para ler notícias. A entidade é uma das 300 instituições que receberam um  Centro de Acesso a Tecnologia para Inclusão Social (Catis) da Secretaria de Ciência e Tecnologia (Secitec).

Rio de Janeiro entra em estágio de alerta por causa das chuvas

Rio de Janeiro entra em estágio de alerta por causa das chuvas

O município do Rio entrou em estágio de alerta, o segundo mais grave em uma escala de quatro níveis, devido à chuva que atinge a cidade. De acordo com o Centro de Operações da prefeitura, o alerta foi emitido por causa de uma acumulação de chuva que estava sobre a Bacia da Guanabara no fim da  madrugada e que se deslocou para a Bacia de Jacarepaguá.

Técnicos educacionais de Sinop permanecem firmes na greve

Técnicos educacionais de Sinop permanecem firmes na greve

Os técnicos administrativos educacionais da rede municipal de Sinop (500 km ao norte) permanecem firmes na greve. Mesmo com a decisão judicial que obriga 30% dos trabalhadores por unidade escolar retornar ao trabalho, o movimento exige que a pauta de reivindicações seja atendida. A próxima assembleia geral da categoria está marcada para às 9h de quarta-feira (11) na subsede do Sintep/MT.