PUBLICIDADE

Marco Ramos: Eleições 2014

Por Marco Ramos  Estamos caminhando para o ano das eleições presidenciais. Passados 10 anos sob o comando de um partido, vejo que chegou a hora de mudarmos. A rotatividade é o oxigênio da democracia, é ela que renova, que desacomoda, que faz o sistema acordar, sair da inércia, que reinventa a roda, que rompe a zona de conforto. A melhor forma de sempre remexermos a “terra” para que ela produza mais é promovendo esta renovação. 

22/11/2013 14h30 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Tudo bem, meus leitores, que diante da situação atual a impressão que temos é que é tudo a mesma merd... E nos dá a impressão de não termos uma boa opção de mudança. Mesmo assim, ainda acredito que a melhor forma de mexer no sistema é promover uma reviravolta. O país cresce com as mudanças e vamos com a prática experimentando novas formas de se administrar a nação e de promover o desenvolvimento.
Dez anos já foram mais do que suficientes para esse partido fazer a sua parte, daqui pra frente é somente desgaste. Ditado popular: “Vassoura nova varre melhor!”. Permitir a perpetuação no poder não é saudável para a nossa democracia. Na verdade, sou a favor de mudança geral, votar em gente nova, de preferência que nunca exerceu mandato algum, isso para deputados principalmente. Os últimos acontecimentos no país serviram pelo menos para criar esta perspectiva de renovação, oxigenação, repaginação. Devemos pensar em encerrar as reeleições, exigir esta mudança na reforma política. E deixar o sistema mais enxuto, mais dinâmico. As perspectivas do país a longo prazo são imensas e devemos acreditar nisso.
Temos condições de nos tornarmos uma economia maior, e um dos caminhos é a renovação do sistema político. Ainda não tenho opinião formada em quem votar, nem mesmo pensei a fundo sobre isso, mas tenho uma convicção: chegou a hora de mudarmos! A mudança é a maneira que a população mostra ao político que quem detém o poder é ele, é a população! Esta lembrança deveria ser a tônica para o ano que vem! Retirando os “papas” da política, estaremos dando mostras de nossa força.
Os movimentos sociais deste ano somente terão a função final com a mostra desta força nos votos. Seria um prazer imenso ver estes que aí estão em nossa política, “deitados em berço esplêndido”, serem “convidados” a sair da política pela força do voto. E eles que se virem para pagar seus compromissos financeiros de campanha...
*Marco é numerólogo, advogado e troca de nome deacordo com a energia do momento cultura@circuitomt.com.br





Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE