PUBLICIDADE
EDIR PINA DE BARROS

Ausência

Da Redação

Equipe

17/01/2022 09h17 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Ausência

Divulgação

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.

(Ausência, Carlos Drummond de Andrade, Minas Gerais, 1902-1987)



Partiste! Só, fiquei na casa imensa

e via a tua sombra em toda parte,



ouvia os passos teus e a procurar-te

perdi-me até da fé, da luz da crença.

Chorava tal carência, fria e densa...

Cansada de sozinha, enfim, buscar-te,

Senti, na poesia, o baluarte

Do meu viver sem ti – a recompensa.

Já não lastimo, não, a tua falta,

Pois vejo-te nas luzes da ribalta,

Na ausência tão presente, em tudo enfim...

Estás aconchegado na saudade,

Nos versos que te faço, à puridade,

Partiste sem partir, estás em mim.

Edir Pina de Barros é membro da Academia Brasileira de Sonetistas e da Academia Virtual de Poetas de Língua Portuguesa. Seus poemas estão disponíveis em vários livros, antologias, revistas eletrônicas e nas mídias sociais. É doutora e pós-doutora em Antropologia pela USP, professora aposentada (UFMT). Nasceu no Mato Grosso do Sul e hoje reside em Brasília.



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE