PUBLICIDADE
EDIR PINA DE BARROS

Confissões

10/09/2021 12h50 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Eu canto porque o instante existe



e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste:

sou poeta.



(Motivo, Cecília Meireles)

Perguntam-me a razão de minha escrita,

de meu pulsar em versos, que não cessa,

e tal mergulho em tudo – tão sem pressa –

entregue à solidão, que em tudo habita.

Perguntam-me, também, o que me incita

a versejar - se acaso é uma promessa –

e como, nos meus ermos, se processa

a poesia, em si, que é luz bendita.

Perguntam-me se escrevo por ser triste...

Não sou! Porém, meu ser não cansa e insiste

em abraçar o triste, aonde eu for.

Eu sei que versejar me alegra, acalma,

e que me entrego inteira – corpo e alma –

ao belo que há em tudo, até na dor.

Edir Pina de Barros é membro da Academia Brasileira de Sonetistas e da Academia Virtual de Poetas de Língua Portuguesa. Seus poemas estão disponíveis em vários livros, antologias, revistas eletrônicas e nas mídias sociais. É doutora e pós-doutora em Antropologia pela USP, professora aposentada (UFMT). Nasceu no Mato Grosso do Sul e hoje reside em Brasília.



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE