PUBLICIDADE
RENATO PAIVA

Hardware (corpo) e Software (mente)

19/07/2021 09h47 | Atualizada em 19/07/2021 09h47

Antecipe-se que este é um texto ficcional, não amparado em antropologia ou sociologia, disciplinas que não domino.



A teoria evolucionista de Charles Darwin sugere origem comum para todas as espécies, isto é, os seres teriam evoluído de uma única forma de vida. Piolhos, lesmas e serpentes progrediram do mesmo jeito que os soberbos autodenominados Sapiens, tão pretenciosos que costumam negar a origem comum com outros viventes.

Antes de a evolução os tornar “sábios” dividiam com os outros a irracionalidade geral e a vida era mais simples. Desfrutavam cada momento despreocupados do futuro, livres de traumas e distantes das angústias. Também, viviam em razoável calma, dormindo quando queriam, comendo o que a natureza dava, perambulando sem destino, se isto lhes aprazia.

Mas um dia, neste corpo orgânico dos humanoides, começou a se desenvolver uma mente, chamada por muitos de espírito ou alma. Agora, o corpo ou a máquina humana (hardware) já tinha um cérebro ou “sistema” (software).



Foi aí que a coisa começou a complicar. Esta “inteligência” inventou de fazer questionamentos filosóficos até então ausentes das cabeças destes seres em evolução. Mas, antes das indagações, os humanos se lançaram a dominar o mundo, sobrepondo-se a todos os outros bichos.

Hoje sabemos que esta conquista não foi uma boa ideia, pois vencendo todos os predadores e aprendendo a produzir a própria alimentação, reproduziram-se de tal forma que alcançaram o número espantoso de 7 bilhões de indivíduos, custosamente mantidos com os recursos limitados da terra.

Mas voltemos ao corpo e à mente. Enquanto o hardware não dispunha de software – o corpo não tinha alma – este primata mutante nem se percebia como indivíduo, assim como um veado não sabe que é um veado e a onça ignora a própria existência.

Todavia, a evolução, selecionando a mudança genética que deu autoconsciência (ou pensamento) ao Homo Sapiens, trouxe a desdita de obrigá-lo a lidar com a própria finitude, que antes desconhecia.

Este software humano que um dia, segundo dizem, será substituído pela Inteligência Artificial, levou a indagações sobre sua origem, destino e principalmente, qual o objetivo da vida.

E como não achava respostas para as próprias perguntas, ficou atormentado, pois na sua auto presumida nobreza, não se via dividindo a origem, objetivos e destino com um simples tatu.

Assim, para acalmarem a si mesmos e aos outros, alguns “iluminados” propuseram-se uma origem grandiosa, diferente da de todos os outros animais.

A configuração do software fez estes macacos pelados “panhá gosto” (como dizemos aqui em Cuiabá) pelas histórias que contavam e ouviam nas noites frias, ao pé da fogueira. Criaram, então, fantásticos relatos explicando a origem dos animais “inferiores”, separada da própria criação. A si mesmos atribuíram a imortalidade, se não do hardware, pelo menos do software: o corpo pode morrer, mas a alma é eterna.

Essas histórias contadas e recontadas transformaram-se em mitos, que acabaram dando identidade aos grupos humanos. Então se uniram em torno deles, formando as centenas de religiões espalhadas pelo mundo.

Alguns - os Sapiens dos Sapiens – no lugar da religião inventaram a filosofia, buscando nela explicações para os insondáveis mistérios que a mente humana comum não consegue entender.

Renato de Paiva Pereira – empresário e escritor

renat2p@terra.com.br



Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE