PUBLICIDADE
ANA MARIA COSTA

Tulupere - Gentes em aliança

13/01/2020 11h37 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00 3 comentarios

O que escrever nos primeiros passos de 2020? Saúdo, caros leitores, com uma mensagem que encarna sinceros votos de um feliz 2020, apoiada na cosmologia da etnia Wayana e Aparai, dentre os 216 povos indígenas no Brasil, são apontados à aspiração de bons ventos para o ano nascente.



No igarapé Axiki, afluente do rio Paru de Leste, Tulupere, uma enorme serpente, de flancos ornados com belas pinturas, habitava águas dos territórios dos Wayana e Aparai, localizados no Amapá, Pará, Guiana Francesa e Suriname. O ser sobrenatural, ao virar as canoas dos índios, tornava inacessível a navegação e impossibilitava as relações entre os povos. Os sobreviventes ao naufrágio eram devorados por Tulupere e, por isso, os povos Wayana e Aparai nunca se encontravam.

A constância dos náufragos em consequência da voracidade da serpente levou um grupo Wayana, auxiliado por um pajé, a derrotá-la. No embate, os índios puderam ver que os flancos de Tulupere eram adornados com pinturas pretas (jenipapo) e vermelhas (urucum). Mais tarde foi a vez do povo Aparai quando encontrou o monstro tombado, avistando apenas um dos lados de seu corpo. Sem se preocupar com a
ferocidade do monstro, pois ali jazia, conseguiu, com calma, ver com minúcias as pinturas que estavam expostas.

Enquanto o grupo de homens da etnia Wayana teve a oportunidade de observar os motivos ornamentais dos dois flancos de Tulupere, mesmo que em condições de extrema tensão, o povo Aparai, que não visualizou todos eles, captou com extrema habilidade suas formas.



O fim de Tulupere providenciou a união entre os dois povos, que passaram a manter relações matrimoniais. Da morte da serpente nasceu o encontro amistoso entre os povos Wayana e Aparai, o primeiro detentor de um repertório extremamente diversificado de pinturas e o segundo de uma técnica aperfeiçoada de confecção artística.

Que 2020 proporcione maior aliança entre gentes, povos, cônscios de que juntos podem fortalecer suas identidades e construir uma felicidade vindoura, com base na igualdade, retidão, equanimidade.

.


3 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. Magnífico texto sempre com ricos ensinamentos. Obrigada Anna.

  2. Como sempre, Anna Maria nos traz um curiosidade a respeito do índios, com muita propriedade. Parabéns.

  3. Como sempre, Anna Maria nos traz um curiosidade a respeito do índios, com muita propriedade. Parabéns.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE