PUBLICIDADE
CRISTIAN SIQUEIRA

O Baralho e os Ciganos

09/09/2019 14h34 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Na ideia comum, baralho e ciganos são quase sinônimos dada a grande ligação que esse povo tem com esse método oracular; para entendermos essa ligação precisamos de imediato tomar ciência do que vem a ser exatamente o povo que denominamos Ciganos.



Não se sabe ao certo de onde teria se originado o Povo Cigano, obstante, as mais antigas referencias e a grande maioria dos estudos e pesquisas indicam a Índia como lugar de origem desses, por várias razões, entre as quais se destaca o fato de existir uma evidencia linguística: os ciganos falam o idioma romani que possui profunda ligação com línguas indianas, e, um estudo mais profundo indica que o romani possui a mesma origem que os idiomas indo-arianos do norte da Índia. Segundo estudos, entre 500 e 1000 D.C. os ciganos foram obrigados a emigrar em direção ao ocidente e, a partir daí, teve inicio a longa viagem pela Europa e África, justificada pelas invasões do sultão Mahmud de Ghazni que agia capturando povos locais.

Essa longa viagem que, diga-se de passagem, de modo geral ainda perdura visto que os ciganos são nômades, possibilitou a esses povos uma grande capacidade de adaptação e consecutiva absorção local; essa absorção sempre ocorreu em cima dos aspectos culturais e muito especialmente em cima dos aspectos religiosos. Bem sabemos que a Índia é a terra dos encantos das divindades e seu povo é profundamente marcado pela sua religiosidade, e, não poderia ser diferente com os ciganos.

Ao ter contato com aspectos religiosos diversos de acordo com os locais por onde passavam, os ciganos também puderam conhecer as ditas ciências proibidas, mas que em muito se assemelhavam as ciências esotéricas tão conhecidas na Índia o que facilitou, em muito, a aprendizagem e compreensão dessas ciências por parte deles. A Quiromancia, a arte de ler os sinais das mãos, já era uma velha conhecida por decorrência do entendimento dos Tatwas; a Astrologia, de igual modo, é presença constante nas famílias indianas até hoje, já as cartas eram uma novidade. Até hoje, não existe na Índia uma ciência de cartomancia propriamente local que justifique essa prática por parte dos ciganos, obstante, a cartomancia sempre foi um carro de sucesso no Ocidente.  



Os jogos de salão desde muito cedo passaram a ser usados com propósitos oraculares na Europa; certamente o conjunto de laminas oraculares mais antigo é o que chamamos de Tarot, a partir dele varias releituras do mesmo bem como novas ideias da mesma natureza foram sendo desenvolvidas e jogadas nos ambientes mais restritos da alta sociedade como também nos ambientes mais humildes e estradas das cidades e vilas com o fim direto e objetivo de descobrir-se o passado, presente e futuro. O que chamamos de Baralho Cigano é um desses métodos de jogo apreendidos e jogados pelos ciganos da Europa; se trata do famoso Baralho de Mme. LeNormand, um pequeno conjunto de 36 lâminas contendo símbolos comuns á humanidade e que possui uma leitura inconscientemente simbólica, concreta e direta. O Baralho de Mme. LeNormand foi e é tão amplamente utilizado pelos ciganos que hoje em dia, em muitos lugares, ele é considerado como sendo o Baralho Cigano.

Hoje em dia, com o desenvolvimento das ideias e até mesmo por consequência de ações comerciais, é possível encontrar baralhos supostamente ciganos cujas laminas são diferentes das pertencentes ao baralho LeNormand, por outro lado existiu na história da cartomancia cigana, clãs que criaram símbolos próprios para suas cartas com o fim de limitar o uso e banalização do sistema oracular por parte de pessoas que não faziam parte do clã. Uma ação inteligente e perspicaz, obstante, para ambos os casos, não podemos nos confundir, a origem é o LeNormand, e mesmo quando encontramos laminas diferentes, um breve estudo comparativo nos faz perceber que embora com símbolos diferentes entre si, a essência da carta é a mesma, ou seja, o que acontece é uma substituição de símbolos amparado por uma manutenção interpretativa: se altera o exotérico mantendo-se o esotérico.

Jogar o baralho cigano/lenormand é permitir-se viajar na linguagem simbólica universal. Para se jogar o baralho não são necessárias consagrações, iniciações, pactos nem tampouco mediunidade. Para se jogar o baralho oracular é necessário apenas desejo e estudo. A linguagem universal já existe dentro do homem, nos cabe apenas mostrar a cada um que o universo fala constantemente conosco, basta pararmos para ouvir.

Nesse ano, pela primeira vez, o C.O.C.T. está oferecendo um maravilhoso Curso de Baralho Cigano em nossa capital mato-grossense. Um curso muito bom, com linguagem teórica, pratica e terapêutica direta e concisa. Uma ótima opção de absorção e aprendizagem para os interessados. As inscrições estão abertas.

Os oráculos são a voz do universo que fala a nós os mistérios da vida passada, presente e futura. Permita-se ouvi-la e seja feliz.

Optchá !

CURSO DE BARALHO CIGANO

Datas – 1° aula 15/09/2019

               2° aula 13/10/2019

Local – Cuiabá – MT

Inscrições e Informações – 065 99212-0478 (Wanessa M.)

 

.


Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE