PUBLICIDADE
POLIANA PELISSARI

Infarto no coração

10/07/2019 08h27 | Atualizada em 15/07/2019 08h43

Síndromes coronarianas agudas são o resultado de um bloqueio repentino em uma artéria do coração. Esse bloqueio provoca angina instável ou ataque cardíaco (infarto do miocárdio) dependendo da localização e da intensidade do bloqueio. O músculo cardíaco precisa de um fornecimento constante de sangue rico em oxigênio e as artérias do coração fornecem esse sangue. A falta de fornecimento de sangue a qualquer tecido é denominada isquemia. Se o fornecimento for reduzido extremamente ou cortado por mais de alguns minutos, o tecido cardíaco morre. Um ataque cardíaco, também denominado infarto do miocárdio (IM), é a morte do tecido cardíaco devido a isquemia. Um coágulo sanguíneo é a causa mais comum do bloqueio da artéria coronariana. Normalmente, a artéria já está parcialmente estreitada por um acúmulo de colesterol e outros materiais gordurosos na parede da artéria (ateroma). Um ateroma pode se romper ou estourar, o que libera substâncias que tornam as plaquetas mais pegajosas, estimulando a formação de coágulos. Em cerca de dois terços das pessoas, o coágulo se dissolve por conta própria, normalmente dentro de um ou dois dias. No entanto, até esse momento, alguns danos cardíacos geralmente já ocorreram.A classificação é importante porque os tratamentos diferem dependendo da síndrome coronariana aguda específica. A classificação consiste em angina instável que é uma alteração no padrão de sintomas da angina, incluindo angina prolongada ou seu agravamento e ressurgimento de sintomas de angina grave. As pessoas que têm angina instável não tem sinais de ataque cardíaco em seus ECGs ou exames de sangue. Infarto sem elevação do segmento ST que é um ataque cardíaco que os médicos podem identificar por exames de sangue, mas que não produz alterações típicas (elevação do segmento ST) em um ECG. E infarto com elevação do segmento ST que é um ataque cardíaco que os médicos podem identificar por exames de sangue e que também produz alterações típicas (elevação do segmento ST) em um ECG. Em um ataque cardíaco, o sintoma mais reconhecível geralmente é dor na parte mediana do tórax que pode se irradiar para as costas, o maxilar ou o braço esquerdo. Menos frequentemente, a dor se espalha para o braço direito. A dor pode ocorrer em um ou mais desses locais e não no tórax. A dor de um ataque cardíaco não é aliviada pelo repouso ou nitroglicerina. Menos frequentemente, a dor é sentida no abdômen, onde pode ser confundida com indigestão, especialmente porque arrotar pode trazer alívio parcial ou temporário. Outros sintomas incluem uma sensação de desmaio ou desmaio real,
transpiração intensa repentina, náusea, falta de ar e coração com batimentos fortes (palpitações). Várias outros quadros clínicos podem causar dor semelhante: pneumonia, um coágulo de sangue no pulmão (embolia pulmonar), pericardite, uma fratura de costela, espasmo do esôfago, indigestão ou sensibilidade muscular no tórax após a lesão ou esforço. Um ECG e certos exames de sangue normalmente podem confirmar o diagnóstico dentro de algumas horas.



As síndromes coronarianas agudas são emergências médicas. Metade das mortes devido a um ataque cardíaco ocorre nas primeiras três a quatro horas após o início dos sintomas. Quanto mais cedo o tratamento começar, maiores as chances de sobrevivência. Qualquer
pessoa com sintomas que podem indicar uma síndrome coronariana aguda devem obter atenção médica imediata. O transporte imediato para o departamento de emergência de um hospital por uma ambulância com pessoal treinado pode salvar a vida da pessoa. Tentar
entrar em contato com o médico, parentes, amigos ou vizinhos da pessoa é um desperdício de tempo perigoso. Importante sempre procurar seu médico, manter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos regularmente, não fumar e evitar bebidas alcoólicas. Boa semana a todos.

.


Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE