PUBLICIDADE
POLIANA PELISSARI

Dor Lombar

13/05/2019 15h45 | Atualizada em 20/05/2019 07h51

A dor na região lombar (lombalgia) é um dos motivos mais comuns para consultas médicas. E se tornam muito mais presentes a medida que envelhecemos. A coluna vertebral consiste de ossos da coluna (vértebras) que são cobertas por uma fina camada de cartilagem, e separadas e acolchoadas por discos de absorção de impacto, feitos de material gelatinoso e cartilagem. Eles são fixos por ligamentos e músculos que ajudam a estabilizar a coluna vertebral. Os músculos abdominais, que percorrem a parte inferior da caixa torácica até a pélvis, também auxiliam a estabilizar a coluna vertebral ao proporcionarem o suporte dos conteúdos abdominais.

Envolta da coluna vertebral está a medula espinhal. Ao longo da sua extensão, os nervos espinhais emergem por espaços entre as vértebras, para conectar os nervos por todo o corpo. A parte do nervo espinhal mais próxima da medula espinhal é chamada de raiz nervosa espinhal. Por conta de sua posição pode ser espremida (comprimida) quando a coluna vertebral estiver lesionada, causando a dor. A dor na região lombar pode limitar muitas atividades e reduzir a qualidade de vida. Classificamos essa dor em três tipos:

Dor local ocorre em uma região específica da região lombar. É o tipo mais comum. Causada geralmente por distensão muscular, entorse ou outra lesão. A dor pode ser constante ou latejante e pode ser agravada ou aliviada pela mudança de posição.

Dor irradiada é a dor maçante e latejante que percorre desde a região lombar até a perna e geralmente, envolve apenas um lado ou a parte de trás da perna, não a perna toda. A dor pode percorrer todo o caminho até o pé ou só até o joelho. A dor irradiada geralmente indica a compressão de uma raiz nervosa causada por doenças como uma hérnia de disco, osteoartrite ou estenose da coluna vertebral (Compressão da medula espinhal). Tossir, espirrar, se esforçar ou curvar enquanto as pernas estão retas pode desencadear a dor. Se a pressão na raiz nervosa for grande, ou se a medula espinhal também estiver comprimida, a dor pode ser acompanhada por fraqueza muscular na perna, sensação de agulhadas, ou até mesmo, perda de sensibilidade e perda de controle da bexiga ou do intestino (incontinência).

Dor referida é sentida em um local diferente da causa real da dor. A exemplo, algumas pessoas, quando têm ataque cardíaco, sentem dor no braço esquerdo. A dor referida na região lombar tende a ser mais profunda e latejante, e é difícil de apontar o local exato. Geralmente, não há piora com o movimento, diferente da dor por doença musculoesquelética.

A maioria das dores nas costas é causada por distúrbios na coluna vertebral e músculos, ligamentos e raízes nervosas ao redor deles ou nos discos entre as vértebras. Com frequência não há uma única causa específica. Muitos fatores como a fadiga, obesidade, falta de exercícios, e estresse podem piorar a dor. Por vezes a dor nas costas tem relação á distúrbios nos rins e trato urinário, trato digestivo e vasos sanguíneos. O estresse muscular e entorse de ligamentos podem ser resultado de levantamento, exercício, ou movimento de forma inesperada (como ao cair ou estar envolvido em um acidente de carro). As causas menos frequentes, porém são graves incluem infecções, tumores da coluna vertebral, aneurismas, distúrbios digestivos, distúrbios do trato urinário, como também, distúrbios na região da pélvis.

O objetivo é identificar qualquer distúrbio grave. Como a dor na região lombar é geralmente causada por diversos problemas, diagnosticar uma única causa pode não ser possível. O médico só poderá ser capaz de discernir se a causa é musculoesquelética e se não é grave. Os médicos podem pedir que a pessoa se movimente de maneiras diferentes, para determinar o tipo de dor. Como por exemplo, podem pedir que a pessoa se deite na posição horizontal, depois levante a perna sem dobrar o joelho, e por fim, se levante e se curve. Também podem inspecionar o abdômen, procurando por locais sensíveis ou com uma massa, especialmente em pessoas acima de 55 anos, que podem ter um aneurisma da aorta. Eles examinam a próstata nos homens ao realizar um exame de toque retal, e os órgãos reprodutivos internos da mulher ao realizarem um exame pélvico.

Nenhum exame se faz necessário, pois a maioria das dores nas costas resulta de esforços ou entorses ou outras doenças musculoesqueléticas pouco importantes e melhoram dentro de 6 semanas. Exames por imagem frequentemente são necessários se houver suspeita de outra causa, sinais de alerta (Dor por mais de 6 semanas, sintomas que sugerem lesão nervosa como dormência, fraqueza em uma ou ambas as pernas, dificuldade em esvaziar a bexiga (retenção de urina), ou perda de controle da bexiga ou intestino (incontinência), febre, perda de peso, dor intensa durante a noite, dor em pessoas com 55 anos ou mais sem explicação óbvia, como uma lesão) ou se a dor nas costas persistir.

Se uma causa específica puder ser diagnosticada, este distúrbio é tratado. Antibióticos são utilizados para tratar uma infecções. Porém, não há tratamento específico para dor musculoesquelética devido a esforço físico, nem para muitas outras causas musculoesqueléticas. No entanto, muitas medidas gerais podem ajudar como medicamentos que aliviam a dor, compressas frias ou quentes no local dolorido, massagens, manter uma boa postura, utilizar um colchão firme com travesseiros apropriadamente posicionados e se levantar corretamente.

A forma mais efetiva de prevenir a dor na região lombar é exercitar-se regularmente. O exercício aeróbico, fortalecimento específico do músculo e exercícios de alongamento podem ajudar. Nadar ou caminhar, melhora a forma física como um todo, e fortalece os músculos em geral. Exercícios específicos para fortalecer e alongar os músculos do abdômen, nádegas e costas (músculos centrais) podem ajudar a estabilizar a coluna vertebral e diminuir o estresse nos discos que protegem a coluna vertebral e os ligamentos que a mantêm no lugar. Como regra geral, qualquer exercício que cause ou aumente a dor nas costas deve ser interrompido. Os exercícios devem ser repetidos até que se sinta os músculos levemente, mas não completamente, fatigados.

As pessoas que sentem dores nas costas devem consultar um médico antes de começarem a se exercitar e sempre evitar a automedicação. Ótima semana a todos e até a próxima.

DRA POLIANA PELISSARI

MÉDICA GENERALISTA PELA UNIFENAS BH

.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE