PUBLICIDADE
POLIANA PELISSARI

Gastrite

22/04/2019 09h36 | Atualizada em 29/04/2019 10h56

Gastrite

Divulgação

A gastrite consiste na inflamação do revestimento interno do estomago. A inflamação pode ser causada por vários fatores, como infecções, estresse, lesões, uso de certos medicamentos (principalmente, antiinflamatórios), consumo de álcool e distúrbios do sistema imunológico. O revestimento gástrico geralmente é resistente à irritação e pode suportar ácidos muito fortes, contudo, na gastrite, esse mesmo revestimento sofre irritação e inflamação. Dependendo de sua gravidade, a gastrite é dividida em:



A gastrite erosiva, a mais grave e consiste na inflamação e corrosão do revestimento gástrico. As células que produzem muco para proteger o revestimento gástrico do ácido estão ausentes ou danificadas. Normalmente, se desenvolve subitamente (chamada gastrite erosiva aguda), mas também pode se desenvolver lentamente (chamada gastrite erosiva crônica). Podem ser provocadas por álcool, estresse, substâncias irritantes, como medicamentos, especialmente aspirina; doença de Crohn, infecções bacterianas e virais, e pela ingestão de substâncias corrosivas.

A gastrite não erosiva, caracterizada por alterações no revestimento gástrico que variam entre desgaste (atrofia) do revestimento gástrico até a transformação do tecido gástrico em outro tipo de tecido intestinal (metaplasia). Frequentemente, diversos tipos de glóbulos brancos se acumulam no estômago e causam diversos graus de inflamação. Geralmente causada por infecção por uma bactéria chamada Helicobacter pylori.

Existem outras causas mais específicas de gastrite como a gastrite aguda por estresse, a gastrite por radiação, a gastrite pós-gastrectomia (cirurgia de extração de parte do estômago), a gastrite atrófica (anticorpos atacam o revestimento gástrico, infecção crônica causada pela bactéria H. pylori, ou pessoas submetidas à gastrectomia parcial), a gastrite eosinofílica e a doença de Ménétrier.



A gastrite costuma ser assintomática, mas quando há sintomas, estes variam dependendo da causa e podem incluir dores ou desconforto abdominal, náusea ou vômito e problemas geralmente descritos como indigestão (dispepsia). Várias podem ser as complicações da gastrite e dependem do grau de lesão e do tempo de evolução.

O médico suspeita de gastrite quando a pessoa manifesta dor ou desconforto na região superior do abdômen ou náusea. Geralmente, não é necessário realizar exames. No entanto, se o médico não está certo do diagnóstico, ou se os sintomas não forem solucionados com tratamento, o médico pode realizar uma endoscopia digestiva alta com biópsia.

Independentemente da causa de gastrite, os sintomas podem ser aliviados tomando-se medicamentos que neutralizam ou reduzem a produção de ácido gástrico e pela descontinuação de medicamentos que causam sintomas. No caso de sintomas leves, tomar antiácidos para neutralizar o ácido já produzido e liberado no estômago frequentemente é suficiente. Quase todos os antiácidos podem ser adquiridos sem prescrição médica e encontram-se disponíveis na forma líquida ou em comprimidos. Os antiácidos incluem hidróxido de alumínio (que pode causar constipação), hidróxido de magnésio (que pode causar diarréia) e carbonato de cálcio. Uma vez que os antiácidos podem interferir com a absorção de diversos medicamentos diferentes, as pessoas que utilizam outros medicamentos devem consultar um médico antes de utilizar antiácidos.

Entre os medicamentos que reduzem a produção de ácido estão os bloqueadores de histamina-2 (H2) e os inibidores da bomba de prótons. Bloqueadores dos receptores H2 costumam aliviar os sintomas com maior eficácia do que antiácidos e muitas pessoas os consideram mais convenientes. Os médicos costumam receitar inibidores da bomba de prótons para tratar gastrite associada com sangramento. Os médicos podem receitar sucralfato, que ajuda no revestimento e cicatrização do estômago e também previne irritação. Antibióticos também são receitados quando a gastrite é causada por infecção por H. pylori.

E como sempre é dito, evite a automedicação e no caso de dúvidas procure seu médico. Até a próxima semana.

 

DRA POLIANA PELISSARI

MÉDICA GENERALISTA PELA UNIFENAS BH

.


Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE