PUBLICIDADE
Rosemar Coenga

Livro infantil: um mundo de eterna magia

12/04/2018 07h30 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

Enquanto o Dia Nacional do Livro é comemorado no dia 18 de abril em homenagem a Monteiro Lobato, o Dia Internacional do Livro é comemorado no dia 2 de abril. O dia internacional foi implementado em homenagem ao escritor dinamarquês de obras infantis chamado Hans Christian Andersen (1805-1875).

Monteiro Lobato foi uma pessoa multifacetada. Atuou em diversas áreas, sempre investindo no campo intelectual do Brasil e dos brasileiros. Desempenhou as atividades como escritor, editor, empresário. Exerceu trabalhos sanitaristas e teve uma intensa convivência com caipiras enquanto fazendeiro.

Grande parte das histórias infantis de Monteiro Lobato é ambientada no Sítio do Picapau Amarelo. O sítio transporta o leitor para um Brasil rural, simples e inocente. Seus personagens, muitos deles crianças como os próprios leitores, estimulam a fantasia e a imaginação em suas aventuras. “De escrever para marmanjos já estou enjoado. Bichos sem graça. Mas para crianças um livro é todo um mundo”, teria dito o escritor.

Já o autor Hans Christian Andersen, nascido em 1805 e morto em 1875, foi escritor de histórias infantis, poemas, peças de teatro e canções. Filho de sapateiro, conseguiu garantir seu lugar no Instituto de Copenhague. É autor de O Patinho Feio, A Princesa e a ervilha, A pequena seria, O companheiro de viagem, dentre outros clássicos da literatura mundial. A origem humilde do escritor não impediu que criasse histórias que encantaram gerações por todo o mundo. Na verdade, o contato com diferentes níveis sociais o ajudou a construir o contraste percebido em várias de suas narrativas.

Hans Christian Andersen e Monteiro Lobato com suas obras contribuíram para que crianças e adultos explorassem a imaginação, por intermédio de seus livros, e ampliassem, além do prazer estético, o entendimento da realidade.

.

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE