PUBLICIDADE

MPE, a Globo e o Barriguinha

Torixoréu ganhou repercussão recentemente no programa Fantástico da Rede Globo de Televisão. O promotor Marcos Brant, daquela cidade, esteve numa fazenda próximo à cidade e flagrou máquinas da prefeitura fazendo serviço de terraplenagem numa pista de pouso. Alguém chamou a TV e foi “pro Fantástico”.

23/03/2012 09h00 | Atualizada em 30/11/-0001 00h00

A reportagem é reveladora não do ponto de vista da importância da matéria em si, mas pelo fato da televisão ter pinçado dentre os inúmeros escândalos deste Estado justo a pista de pouso da cidade de Torixoréo.

Diante do “escândalo” tive a curiosidade de conversar com alguns munícipes sobre quem é Barriguinha e qual a relação dele com este fazendeiro para me informar sobre o ocorrido, porque diante de esmola grande, até santo desconfia.

O que fiquei sabendo é que a pista do escândalo é praticamente a única pista decente onde descem aviões que vão ao município. Do ano passado até agora, no nosso estado, foi noticiado pela imprensa local mais de R$ 2 bilhões de desvios de dinheiro público, o que daria para construir um aeroporto maior que o Marechal Rondon. Quantas reportagens o Fantástico produziu denunciando estes escândalos?

Recentemente temos o escândalo das Land Rovers, onde no mercado o preço é de um veículo destes é R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais) e o governo do estado estava comprando por R$ 1.400.000,00 (Um milhão e quatrocentos mil reais) cada unidade, sob alegação de que o preço a maior era devido aos equipamentos eletrônicos dos veículos, acredite quem quiser.

Como a imprensa denunciou, a compra foi suspensa, mas mesmo assim o estado levou um tombo sobre o que já tinha pago em adiantamento.

Foi pra o Fantástico? Não foi, assim como não foi o escândalo dos maquinários, o escândalo das cartas de crédito, o escândalo dos precatórios, o caso da Andrade Gutierrez, o caso do precatório dos cascalhos, o caso das isenções fiscais, o caso das PCHs.

Que pena que o governo Blairo / Silval não tinha como governador o Barriguinha. Se fosse o Barriguinha, talvez o Ministério Público já tivesse destrinchado as irregularidades e a Globo teria mostrado as máquinas sendo usadas como moeda de troca eleitoral com os prefeitos, o preço de cada uma no mercado e o preço pago pelo estado.

Que pena Barriguinha, que pena. Você seria a nossa salvação, seria crucificado, é verdade, mas o cofre do estado estaria à salvo. Falando sem ironia, comparando a pista de pouso de Torixoréo com os escândalos produzidos neste governo, o caso Barriguinha se enquadra no principio da bagatela.

Pelo ocorrido, nota-se que entre um furto famélico e um assalto a banco, a Globo prefere noticiar o primeiro, ou foi só neste caso?

(*) JOSÉ ANTONIO DOS SANTOS MEDEIROS é dirigente do PPS/MT e suplente do senado



JOSÉ MEDEIROS





Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE